Operários encerram greve em Belo Monte

Os trabalhadores nas obras da usina hidrelétrica Belo Monte estão retomando as atividades nesta sexta-feira, segundo o Consórcio Construtor Belo Monte, encerrando a greve que ocorria desde o final de abril.

ANNA FLÁVIA ROCHAS, REUTERS

04 Maio 2012 | 13h18

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada (Sintrapav) convocou os operários a retornar às atividades no final da quinta-feira, informou o representante da assessoria jurídica do sindicato, Rubens Lima.

Trabalhadores de três das cinco unidades de trabalho da usina são esperados nos canteiros nesta sexta-feira. Os operários das unidades Sítio Pimental e Canais e Diques estão recebendo pagamentos nesta sexta-feira, e só devem retomar aos trabalhos na segunda-feira.

No dia de recebimento dos pagamentos, os operários não trabalham.

A greve na usina ocorria desde o dia 23 de abril, mesmo depois de já ter sido declarada ilegal por liminar da Justiça. Os trabalhadores deveriam ter retornado ao trabalho no dia 2 de maio, depois de um período de suspensão da liminar.

O Consórcio Construtor Belo Monte entrou com pedido na justiça pedindo o cumprimento da liminar que estabelecia multa de 200 mil reais por dia em que os trabalhadores não retomassem os trabalhos.

Lima, do Sintrapav, disse que representantes do sindicato e o consórcio estavam em audiência na Justiça nesta manhã, na qual os representantes dos trabalhadores buscavam ser liberados do pagamento da multa.

Cerca de 7 mil trabalhadores contratados atuam nas obras da usina, além de outros 2 mil terceirizados.

A usina que está sendo construída no rio Xingu, no Pará, terá cerca de 11 mil megawatts (MW) de potência quando estiver totalmente em operação. O início da operação comercial está previsto para 2015.

A empresa Norte Energia é responsável pela usina e tem entre os acionistas Eletrobras, Cemig e Light, além de Neoenergia, Petros, Funcef, entre outras.

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA BELOMONTE GREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.