Oposição de centro-direita lidera disputa presidencial no Chile

O empresário bilionário de centro-direita Sebastián Piñera confirmou sua liderança na preferência do eleitorado na disputa pela presidência do Chile, que ocorrerá ano que vem. O ex-presidente Eduardo Frei é o melhor colocado entre os candidatos da situação, revelou uma pesquisa na terça-feira. Na pesquisa do Centro de Estudos Públicos (CEP), uma entidade privada, Piñera conseguiu 41 por cento das intenções de voto, o que não bastaria para vencer o pleito no primeiro turno. Frei teria 31 por cento dos votos, e atrás dele está seu adversário pela candidatura da situação, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza. Piñera, que é sócio da companhia aérea LAN, de um canal de televisão e da sociedade que administra o time de futebol Colo Colo, vem liderando todas as pesquisas de opinião deste ano, o que poderia significar o fim de quatro governos consecutivos da coalizão de centro-esquerda Concertación. O bloco de situação vai realizar suas primárias em abril para definir seu candidato presidencial. Para as primárias da Concertación, a pesquisa do CEP indica que Frei detém 37 por cento do apoio dos entrevistados, enquanto cerca de 28 por cento preferem Insulza. No cenário de uma disputa entre Piñera e Frei no segundo turno, o empresário fica com 44 por cento das intenções de voto contra 34 por cento do ex-presidente. A pesquisa também revelou que cerca de 11 por cento dos entrevistados votariam em branco ou anulariam o voto. Outros 11 por cento estão indecisos ou preferiram não revelar sua preferência. Se o segundo turno fosse entre Piñera e Insulza, o candidato de centro-direita obteria 49 por cento dos votos e o secretário da OEA, 28 por cento. A pesquisa entrevistou 1.505 pessoas entre 19 de novembro e 11 de dezembro e tem margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. (Reportagem de Antonio de la Jara e Manuel Farias)

REUTERS

30 Dezembro 2008 | 20h30

Mais conteúdo sobre:
PESQUISA CHILE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.