Oposição em Camarões diz que eleição presidencial foi fraudada

O principal partido de oposição em Camarões disse na segunda-feira que a eleição presidencial no país africano foi marcada por fraude e que está reunindo provas para uma reclamação formal.

TANSA MUSA, REUTERS

10 de outubro de 2011 | 14h51

O presidente veterano Paul Biya, considerado favorito para vencer as eleições e obter a reeleição, admitiu que pode ter havido "imperfeições" na organização da votação no domingo, mas negou a existência de fraude.

"Nossos advogados já estão reunindo provas para mostrar que houve fraude em todo lugar", disse Elizabeth Tamajong, secretária-geral da Frente Social-Democrática (SDF), à Reuters por telefone.

Relatos de que alguns eleitores depositaram duas cédulas, enquanto outros não chegaram a votar arriscam minar a credibilidade da eleição no país produtor de petróleo, semanas depois de uma eleição na Zâmbia mostrar que uma mudança pacífica por meio do voto é possível na África.

Biya, de 78 anos, já foi presidente por 29 anos e sua candidatura à reeleição foi possível apenas depois de ele modificar os limites do mandato presidencial em 2008 - uma medida que se somou à insatisfação popular por causa dos preços dos alimentos que provocou distúrbios nos quais morreram mais de 100 pessoas.

Além de produzir petróleo, Camarões é o principal ponto de entrada marítima da região e rico manancial de alimentos, abastecendo Chade, República Centro-Africana, República do Congo e Gabão. Apesar disso, seu crescimento econômico está abaixo da média da África e os críticos mencionam fracasso da democracia.

A eleição de domingo terminou de forma pacífica, mas problemas de abastecimento de energia fizeram com que a contagem dos votos em alguns distritos fosse feita à luz de velas, com a ajuda das lanternas dos celulares ou, como ocorreu em um distrito da capital Laundê, com as luzes de uma moto.

Os resultados poderão levar até duas semanas para serem divulgados.

Mais conteúdo sobre:
CAMAROESELEICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.