Legnan Koula/Efe
Legnan Koula/Efe

Oposição ganesa contesta resultado de eleição presidencial

Atual presidente, John Dramani Mahama venceu com 50,7% dos votos e diz não estar preocupado

Reuters

11 Dezembro 2012 | 17h24

ACRA - O principal partido ganês de oposição disse nesta terça-feira, 11, que irá contestar judicialmente o resultado da eleição presidencial da semana passada, vencida pelo atual presidente, John Dramani Mahama, com 50,7% dos votos.

Nana Akufo-Addo, candidato do Novo Partido Patriótico, foi derrotado na votação de 7 de dezembro, amplamente vista como um teste para a democracia em uma das nações mais estáveis da África. "Estamos contestando os resultados, estamos indo à Justiça", disse Nana Asante Bediatuo, consultor jurídico do partido, à Reuters. "Acreditamos ter suficientes indícios de malfeitos durante a votação, e estamos protocolando assim que possível depois de reunir ", disse Bediatuo.

A ONU, os EUA e a União Africana divulgaram nota congratulando Mahama por sua vitória e louvando a conduta da eleição, que observadores disseram ter sido livre e limpa, apesar de alguns problemas logísticos. Milhares de apoiadores do NPP foram na terça-feira às ruas de Acra, a capital, protestar contra os resultados. Autoridades disseram que a manifestação foi pacífica.

Mahama disse não estar preocupado pela contestação judicial e disse estar confiante na ponderação das forças políticas rivais. "A democracia de Gana é sólida, e há instituições constitucionais para lidar com situações assim", disse ele à Reuters na residência presidencial.

Gana, país produtor de ouro, petróleo e cacau, mantém um regime democrático há três décadas, o que é uma exceção na África Ocidental. Em 2008, o país esteve à beira do caos após uma eleição em que Akufo-Addo foi derrotado por menos de 1 ponto percentual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.