Oposição negocia aliança para governar Paquistão

Partidos de Benazir Bhutto e do ex-premiê Sharif bateram governo nas eleições.

Rodrigo Durão Coelho, BBC

19 Fevereiro 2008 | 16h10

Os dois principais partidos da oposição paquistanesa, o PPP e o PML-N, negociam nesta terça-feira a formação de uma coalizão para governar o país, após a vitória nas eleições parlamentares.O PPP, da ex-premiê assassinada em dezembro, Benazir Bhutto, conquistou o maior número de assentos no Parlamento, seguido pelo PML-N, do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif. O governista PML-Q ficou em um distante terceiro lugar.O viúvo de Bhutto e líder do PPP, Asif Zardari, afirmou que seu partido vai "formar um governo de consenso nacional que vai levar em conta todas as forças democráticas"."No momento, a decisão do partido é que não estamos interessados em nenhum daqueles que foram parte do governo anterior." ImpeachmentNawaz Sharif já havia rejeitado a possibilidade de aliança com Musharraf antes das eleições. Nesta terça-feira, o ex-premiê afirmou que "O povo deu seu veredicto". "Ele (Pervez Musharraf) havia dito que quando o povo quisesse, ele deixaria o poder. As pessoas disseram o que querem", disse Sharif, que afirmou pretender se encontrar com o líder do PPP, Asif Zardari, na quinta-feira. Juntos, o PPP e o PML-N têm dois terços de parlamentares que seriam necessários para promover um impeachment do presidente Pervez Musharraf.O partido governista admitiu a derrota, dizendo que desejar "fortalecer o processo democrático permanecendo na oposição". KerryO senador americano John Kerry - que viajou a Islamabad para acompanhar a eleição - disse que a votação "cumpriu os requerimentos básicos de credibilidade e legitimidade". O Departamento de Estado americano descreveu o pleito como "um passo rumo a restauração de uma democracia integral".Os resultados oficiais devem ser divulgados na noite de terça-feira.Foram disputados 272 assentos da Assembléia Nacional, equivalente à Câmara de Deputados e 100 vagas no Senado.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.