Oposição quer ouvir Orlando Silva sobre acusação de desvios

A oposição já se movimenta para levar ao Congresso o ministro do Esporte, Orlando Silva, alvo de denúncias de desvio de dinheiro público, assim como os denunciantes do suposto esquema de que participaria o ministro.

REUTERS

17 de outubro de 2011 | 13h44

O PSDB já anunciou, no Senado, que deve apresentar uma representação à Procuradoria Geral da República (PGR) para que investigue Silva e o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que ocupou a pasta entre 2003 e 2006 e também é citado nas denúncias.

De acordo com o líder da bancada, senador Álvaro Dias (PR), os tucanos tentarão ainda convocar o atual ministro e convidar o policial militar João Dias Ferreira, um dos que denunciaram o suposto esquema.

Na Câmara, o líder do PPS, Rubens Bueno (PR), informou que apresentará requerimentos de convite a João Dias e Célio Pereira, funcionário do ministério que também teria denunciado a suposta irregularidade. O PPS também protocolará representação à PGR.

João Dias afirmou, em edição deste fim de semana da revista Veja, que existe um esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte. Esse esquema, segundo ele, seria coordenado pelo ministro que teria, inclusive, chegado a receber dinheiro desviado na garagem da sede da pasta.

De acordo com a reportagem, organizações não-governamentais que realizam convênios com o ministério no âmbito do programa só recebiam o dinheiro desses acordos após o pagamento de até 20 por cento dos valores dos contratos a pessoas ligadas ao PCdoB, partido de Orlando Silva.

Quatro ministros do governo da presidente Dilma Rousseff já deixaram seus cargos em meio a denúncias de irregularidades --Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes) e Pedro Novais (Turismo).

No comando da pasta do Esporte, Orlando Silva é o principal encarregado no governo Dilma dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016, que serão disputadas no país.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
POLITICADENUNCIAOPOSICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.