Oposição síria diz que Assad não pode ser parte de acordo de paz

A Coalizão Nacional Síria, principal grupo de oposição do país, está disposta a negociar um acordo de paz que encerre a guerra civil, mas sem incluir o presidente Bashar al-Assad.

Reuters

21 de fevereiro de 2013 | 09h19

Um comunicado redigido para uma reunião da oposição e visto pela Reuters omite a exigência direta para que Assad deixe o poder, atenuando a posição anterior pelo afastamento do presidente como pré-condição para qualquer negociação.

O documento, a ser debatido em uma reunião da aliança oposicionista a partir de quinta-feira no Cairo, diz que Assad e seu grupo devem ser responsabilizados pela violência dos últimos dois anos na Síria, e que um eventual acordo de paz deve ocorrer com a intermediação dos Estados Unidos e da Rússia.

"Bashar al-Assad e os comandos dos militares e do aparato de segurança são responsáveis pelas decisões que levaram o país ao que é hoje, estão fora do processo político e não são parte de nenhuma solução política na Síria", disse o documento. "Eles precisam ser responsabilizados pelos crimes que cometeram."

A iniciativa partiu do presidente da coalizão, Moaz Alkhatib, um clérigo de Damasco que participou ativamente dos protestos pacíficos ocorridos no início da rebelião contra Assad, em 2011.

(Reportagem de Khaled Yacoub Oweis)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAOPOSICAOASSADFORA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.