Oposição vai à Justiça do Rio contra Plano de Cargos

Um dia depois de a Câmara dos Vereadores aprovar o Plano de Cargos e Salários proposto pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB) - que sancionou a nova lei ainda na terça-feira, 01, os advogados assumem a linha de frente no embate entre a prefeitura do Rio e o Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe).

ADRIANO BARCELOS, Agência Estado

02 Outubro 2013 | 15h57

Passado o impacto do confronto de terça-feira entre a Polícia Militar e os manifestantes, os argumentos jurídicos dominam as ações. Dois processos serão iniciados: um de parte dos vereadores de oposição ao governo Paes e outro do próprio sindicato.

O grupo de nove vereadores de oposição subscreveu processo para impetrar mandado de segurança anulando a tumultuada sessão da Câmara na terça. Eles pretendem protocolar a medida nesta quarta-feira, 02.

Os argumentos dos vereadores no pedido pela nulidade serão que a sessão descumpriu o artigo 61 do regimento da própria Câmara, que estabelece a obrigatoriedade de que as sessões sejam abertas ao público e de que os requisitos mínimos de segurança para a realização da votação não foram obedecidos.

O Sepe, em outra frente, se debruça sobre o teor do texto do novo Plano de Cargos e Salários. Segundo a coordenadora-geral do sindicato, Ivanete Conceição da Silva, os advogados vão tentar derrubar a lei por incoerências entre o que estabelece a lei carioca e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). O trabalho ainda não foi concluído.

Mais conteúdo sobre:
protestoprofessoresRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.