Orçamento de SP aumenta verba para área social

Em uma sessão que terminou na madrugada, o Legislativo paulista aprovou ontem o Orçamento do último ano da gestão José Serra (PSDB). As despesas são estimadas em R$ 125,7 bilhões, 6,3% maior do que neste ano, e os investimentos ficam praticamente inalterados em relação a 2009 (R$ 21,9 bilhões contra R$ 20,6 bilhões). Em ano de eleição, as áreas que mais terão aumento têm forte apelo social - transporte e habitação.

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

17 Dezembro 2009 | 00h00

A secretaria com o maior crescimento de recursos (43%) é a de Transportes Metropolitanos. Passará de R$ 5,8 bilhões para R$ 8,3 bilhões em 2010. Ela é uma das vitrines do governo Serra, com os programas de expansão da rede de metrô na capital e de modernização das linhas de trem. Provável candidato do PSDB à Presidência, o governador planeja para o ano que vem uma maratona de inaugurações no setor. Em segundo lugar está a Secretaria de Habitação, com 12% de aumento: de R$ 1,7 bilhão para R$ 1,9 bilhão.

Apesar da longa sessão, que só terminou por volta das 2h30, o governo emplacou uma vitória folgada por 65 votos a favor e 21 contra. A oposição cumpriu o prometido, obstruiu o quanto pode e votou contra a proposta.

"Até o governo de Minas tem Orçamento regionalizado. Em São Paulo vamos continuar lutando por um orçamento participativo", criticou o deputado Enio Tatto, um dos representantes do PT na Comissão de Finanças. O líder do governo na Assembleia, Vaz de Lima (PSDB), reagiu: "A população tem elegido sucessivamente governantes do PSDB. Se estivessem insatisfeitos, já teriam dado cartão vermelho, como fizeram com Marta Suplicy."

Serra não acompanhou a votação. Ele está na cúpula da ONU sobre mudança climática, na Dinamarca. Para entrar em recesso, os deputados ainda precisam votar as contas do governo do exercício de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.