Zeca Wittner/AE
Zeca Wittner/AE

Ordem na bagunça

Organizadoras profissionais dão dicas para deixar a casa impecável- começando pelo quarto

Marisa Vieira da Costa,

30 Outubro 2011 | 00h00

Quem nunca revirou uma gaveta atrás de uma blusa, encontrou o jeans no meio das calças sociais ou passou dias atrás de um documento? Está certo que nem todo mundo nasceu para deixar a casa sempre impecável, mas quem lida com organização garante que a vida se torna incomparavelmente mais fácil quando tudo está no lugar. Mas é preciso seguir algumas regras para simplificar o dia a dia e acabar com o estresse que a procura de um objeto ou não saber por onde começar a arrumar a casa provocam.

 

"No começo, é um exercício diário. Organização exige uma grande força de vontade, muita disciplina e desprendimento. Mas, à medida que as coisas vão se ajeitando, vale muito a pena; o bem-estar é imenso", diz a personal organizer Cíntia Covre. Dona da Otimiza, que tem duas sedes, uma em São Paulo e outra em Salvador, ela organiza casas, atende empresas que precisam pôr ordem em arquivos e computadores, acompanha mudanças e também oferece serviço para noivas. "Quando elas chegam da lua de mel já está tudo em ordem; os presentes guardados e as caixas devidamente etiquetadas."

 

Quem nunca revirou uma gaveta atrás de uma blusa, encontrou o jeans no meio das calças sociais ou passou dias atrás de um documento? Está certo que nem todo mundo nasceu para deixar a casa sempre impecável, mas quem lida com organização garante que a vida se torna incomparavelmente mais fácil quando tudo está no lugar. Mas é preciso seguir algumas regras para simplificar o dia a dia e acabar com o estresse que a procura de um objeto ou não saber por onde começar a arrumar a casa provocam.

 

 

"No começo, é um exercício diário. Organização exige uma grande força de vontade, muita disciplina e desprendimento. Mas, à medida que as coisas vão se ajeitando, vale muito a pena; o bem-estar é imenso", diz a personal organizer Cíntia Covre. Dona da Otimiza, que tem duas sedes, uma em São Paulo e outra em Salvador, ela organiza casas, atende empresas que precisam pôr ordem em arquivos e computadores, acompanha mudanças e também oferece serviço para noivas. "Quando elas chegam da lua de mel já está tudo em ordem; os presentes guardados e as caixas devidamente etiquetadas." Ela diz que é capaz de detectar o nível de desorganização de uma casa com um olhar rápido. "A mesa de jantar denuncia tudo. Se vira o lugar para deixar a bolsa, o jornal, as chaves do carro, o crachá, a receita médica, já sei o perfil de quem mora lá", afirma.

 

Cíntia leva aproximadamente três horas para organizar um armário de três portas e cobra cerca de R$ 80 por hora. Mas ela também pode pôr ordem em CDs, brinquedos, documentos, fotos, nos armários de louças e até na geladeira. A personal organizer diz que, a princípio, as pessoas ficam deslumbradas com a organização, mas que a disciplina de continuar deixando tudo em ordem não costuma durar muito para a maioria. "Ensino a rotina de trabalho e técnicas para dobrar roupas, organizar pratos, talheres, lençóis e toalhas."

 

 

Pequenos truques, segundo ela, facilitam a vida, como gavetas de acrílico, que possibilitam a visualização das roupas, ou o sistema de colocar as blusas em cascata, para não ter de revirar tudo à procura de uma peça que está embaixo, e empilhar as toalhas. "Rolinhos só para roupa de ginástica e de dormir. Toalha também pode ficar em rolinho, mas precisa enrolar com força, porque na hora que coloca, ela incha e parece que está mal dobrada", sugere.

 

Passo a passo. Antes de sair revirando gavetas e empilhando roupas na cama é preciso planejamento. Como é difícil arrumar tudo de uma vez, o ideal é ir por partes, começando pelas gavetas. "Não se pode tirar tudo do armário, você acaba empilhando num canto e pode amassar as roupas", orienta Kelly Albernaz, sócia da Arrumado. Conforme se separa as peças, a pessoa acaba encontrando objetos perdidos e até descobrindo outros dos quais nem se lembrava. Momento certo para o descarte. "Se a pessoa não usa a roupa por mais de 6 meses, tem de ter uma boa resposta para mantê-la", diz Cíntia.

 

 

Ciça Gut, arquiteta que deixou a profissão de formação para se dedicar à organização doméstica, é um pouco mais flexível e orienta as clientes a não guardar coisas que não usa há mais de dois anos. Ela também recomenda uma arrumada geral nos armários ao fim de cada estação. Quando termina o inverno, por exemplo, é hora de guardar blusas de lã em caixas de acrílico com furinhos para a circulação do ar. Mas, antes de guardar, não se esqueça de lavar. "Casaco não é igual blusinha que você usa e já lava, por isso, tem que limpar antes de colocar na prateleira", frisa Ciça. Até porque há o risco de manchar, como explica a personal organizer Andrea Caetano. "A gordura da pele com o perfume acabam impregnando na roupa."

 

Para quem coloca as peças de frio em malas, recomenda-se colocar etiquetas de identificação. Outra dica de Ciça é aproveitar as férias para limpar o armário com pano úmido e deixá-lo vazio por um dia para tirar cheiro de mofo. Técnicas de organização também servem para viagens. Fã dos sacos de plástico à vácuo, Kelly aconselha usá-los para arrumar a mala. "Eles triplicam o espaço e vedam a umidade. Sem contar que há modelos que não precisam de aspirador de pó para murchar."

 

 

Nos armários, atitudes simples resolvem o problema de umidade, como colocar potinhos com giz atrás das roupas. "Se colocar num saquinho de TNT até decora o espaço", comenta Kelly, que alerta para a necessidade de deixar vãos entre as pilhas para o ar circular.

 

Para as peças que devem ser penduradas no guarda-roupa, como vestidos, Ciça aconselha a organização por ordem de cor (da mais clara para a mais escura). Os de festa devem ser sempre cobertos com capas de plástico com abertura na frente e as bolsas ficam mais bem organizadas em armários com meia prateleira, a fim de não misturar as maiores com as menores nem as do dia a dia com as de festa.

 

Há outras, porém, que ficam melhor dobradas mesmo. "Camiseta de malha tem de ficar na gaveta, se colocar no cabide, marca o ombro", avisa Kelly. E, nesse caso, Andrea indica o uso de um molde de acrílico para auxiliar a dobrar as camisetas. "Também dá para usar a forma de papelão que vem da lavanderia. As infantis servem para dobrar regatas femininas."

 

 

Sapateira em dia. A organização dos sapatos merece capítulo à parte. De preferência, eles devem ser limpos antes de entrar no armário, diz Ciça. "Aceito saquinhos com lado transparente para os menos volumosos. O importante é nunca desfazer os pares. Em sapateiras próprias, a frente fica virada para você." Na falta de espaço, até se permite empilhar, desde que com sacos com visores. "O TNT deixa o sapato respirar e a parte transparente facilita a visualização", ensina Kelly.

 

Depois de arrumar o guarda-roupa, deixar o restante da casa em ordem fica fácil. Mas Andrea faz uma observação: "Se a pessoa não entender a importância de ser organizado, não adianta nada ensinar". E essa conscientização tem de ser geral, de toda a família, segundo as consultoras. "A dona da casa deve orientar as outras pessoas a manter suas coisas no lugar, senão a coisa não anda", afirma Cíntia. / COLABOROU ANA PAULA GARRIDO

 

 

Sinais de que as coisas precisam mudar

 

Na cozinha

Louça acumulada na pia

Potes e embalagens de alimentos sobre a mesa

Toalha de mesa com migalhas

Lixeira cheia

 

Nos quartos

Acumuladas sobre a cama

Cabides vazios pendurados nas maçanetas

Sapatos espalhados pelo chão

 

No banheiro

Cesto de lixo cheio

Toalhas emboladas

Produtos de higiene e cosméticos em desordem sobre a bancada

 

Na sala

Livros, revistas e jornais espalhados

Copos e pratos deixados sobre os móveis

Brinquedos pelo chão

CDs, DVDs e controles remotos largados pelos cantos

Mais conteúdo sobre:
Casa Decoração

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.