Órgão se prepara para reagir a emboscada

O Ibama está preparando uma megaoperação para reagir à emboscada que dois funcionários do órgão e um do ICMBio sofreram na manhã de quarta-feira na BR-163, perto de Cachoeira da Serra, no sul do Pará.

O Estado de S.Paulo

31 Março 2012 | 03h02

As equipes locais estão sendo intensificadas e devem compor os trabalhos 80 agentes da Polícia Federal, da Força Nacional, além de reforços dos dois órgãos ambientais.

O objetivo, diz Hugo Américo, gerente do Ibama em Santarém, é fortalecer a chamada Operação Malha Verde, que vinha investigando desmatamentos na região desde o dia 19. Eles acreditam que a emboscada tenha sido uma retaliação à fiscalização.

A ideia agora é focar as cidades de Cachoeira da Serra e Castelo dos Sonhos, onde eles acreditam que a ilegalidade, em especial do setor madeireiro, seja maior.

Segundo Américo, o entorno da BR-163 vem sendo alvo de ações por conta do aumento do desmate promovido pelo asfaltamento da rodovia e pela crescente demanda por madeira.

Já foram vistoriadas "madeireiras fantasmas" nas cidades de Óbidos, Itaituba e Novo Progresso, perto de onde ocorreu o ataque aos agentes.

Na primeira, de quatro madeireiras suspeitas, uma era fantasma. Em Itaituba, as três sob suspeita não existiam e, em Novo Progresso, das 21 analisadas, 16 eram fantasmas.

Isso significa que elas "esquentam" a madeira ilegal, emitindo no sistema eletrônico de comercialização de madeira a chamada guia florestal, como se a madeira extraída fosse legal. Quando a fraude é descoberta, as empresas são bloqueadas do sistema. / G.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.