Orquídea atrai mais consumidores

Produtores investem em variedades com flores maiores, de cores fortes, duradouras e que florescem mais cedo

Luiz Gallo, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2007 | 01h05

Investimento na melhoria das espécies, aumento de produção e adequação ao gosto do consumidor fizeram com que o mercado de orquídeas crescesse muito nos últimos anos. Conforme a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp), entre janeiro e julho de 2003, foram vendidos 75.097 vasos de orquídeas no entroposto. No mesmo período de 2007, foram 507.560 vasos, quase sete vezes a mais.Para a produtora e presidente da Associação de Orquidófilos de São Paulo (Aosp), Lúcia Morimoto, os produtores e melhoristas fixaram o foco em cinco itens: tamanho, forma, precocidade, facilidade no cultivo e cores fortes. Para conquistar maior número de consumidores, os produtores investiram em flores maiores, e as espécies que já tinham a preferência do consumidor tiveram a produção aumentada, como a Cattleya, a mais vendida.FLORESCIMENTOA baixa precocidade da espécie era uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos orquidófilos. As plantas demoravam a florescer e murchavam com rapidez. Melhoristas investiram, então, no cruzamento de espécies de florescimento rápido. Algumas que se desenvolviam em cinco anos agora se desenvolvem em três e, em vez de durar em média 15 dias, duram até 90 dias.Outra dificuldade do setor é na obtenção de novas variedades. Para desenvolver uma nova variedade, o produtor precisa de cerca de cinco anos, para depois cultivá-la em vasos para comércio. ''''Embora o mercado de matrizes tenha crescido, é mais vantajoso para o iniciante produzir e vender mudas'''', diz Lúcia. ''''Eu vendo mudas e tenho um amplo mercado'''', afirma ela, que produz 150 mil vasos comerciais/ano e vende 400 mil mudas/ano.Seu sítio, em São Lourenço da Serra (SP), tem uma estufa de 8 mil metros quadrados, que está sendo ampliada em mais 5 mil metros para atender à demanda de produção das 300 espécies cultivadas.A orquidófila contribui também para a melhoria de variedades. Atualmente, faz a mistura de variedades que possuam qualidades complementares. ''''Cruzamos um tipo de orquídea vistosa com uma duradoura, para obter as duas qualidades. Nem sempre dá certo. O processo é demorado, mas, se tem sucesso, o mercado ganha força com uma variedade bonita e resistente, e o produtor ganha um bom dinheiro.''''ALTO INVESTIMENTOPara o produtor Luiz Key, o grande empecilho para a produção é o alto investimento inicial. Como a planta demora a se desenvolver, e necessita de estufas, o investimento é alto, e o retorno de capital é lento.Key produz 200 mil vasos por ano, em 22 mil metros quadrados. Fixou sua produção na Cattleya, que floresce por cerca de 30 dias, vendida pelo produtor entre R$ 15 e R$ 20 o vaso, e a Phalaenopsis, vendida por R$ 20 o vaso. Em seu sítio, em São José dos Campos (SP), o produtor obtém boa lucratividade, R$ 600 mil por ano.''''O principal público, o que realmente compra minhas flores, é feminino, classe B, acima de 35 anos'''', diz Key, que ressalta a importância dos melhoristas para o avanço do mercado. ''''Graças aos melhoramentos, as plantas duram mais.''''A orquidófila Elza Kawagoe ensina como ter um bom cultivoIluminação - É importante pôr a planta em local bem iluminado, para que ela se desenvolva e floresça bastante. A luz do sol não pode, porém, ser constante e direta.Adubação - Se o adubo for solúvel, coloque 1 colher de café a cada 15 dias. Se for granulado (da Aosp/Bocage), coloque, no canto do vaso, 1 colher de chá a cada 3 meses.Ventilação - É importante para manter a planta livre de cochonilhas e pulgões.Regas - Molhe a planta sempre que estiver seca. Se forem poucas plantas, o ideal é colocar o dedo no substrato. Se estiver seco, regue bem. A planta gosta de ficar molhada, não encharcada.Pragas - Contra cochonilhas e pulgões, lave a planta com sabão de coco. Passe uma escova de dente macia, e esfregue com cuidado onde está o inseto, depois enxágüe em água corrente. Pulverize o local atacado com spray em aerosol à base de água ou fumo de corda. Para fazer o fumo de corda, ferva pedaços de fumo em 1 litro de água, para matar as bactérias, depois dilua a solução em 1 litro de água e aplique com borrifador.Doenças - Geralmente deixam manchas ou partes moles nas folhas. Aplique calda bordalesa, vendida em lojas especializadas, e se necessário corte os pedaços da planta que estão muito atacados pelo fungo. Aplique, no local do corte, canela em pó, que é um antibiótico natural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.