Os cavistes estão chegando

Na França é mais fácil. O caviste, dono de pequena loja de vinhos, pega o furgão e vai atrás dos produtores de que gosta, compra as garrafas e revende, mantendo uma ligação próxima com o vinicultor e os clientes. Mesmo com a distância entre Brasil e França, entretanto, surgem pequenas importadoras que cumprem esse papel. São os cavistes aéreos. Já existiam a Tire-Bouchon e a Delacroix. Agora, duas francesas entusiasmadas criaram a La Cave Jado. A característica da nova importadora é o catálogo enxuto, com preços moderados - quase todos os vinhos abaixo de R$ 100 e ênfase na venda pela internet. As proprietárias, Dorothée Souchaud e Jeanne Bourguignon, criaram um site detalhado: "Vamos atender o pequeno comprador com a máxima rapidez, de modo bem pessoal, como num balcão de loja parisiense." Dos vinhos provados, destacaram-se os alsacianos biodinâmicos do Domaine Frey (o Riesling a R$ 71 e o Crémant Cuvée Plaisir Perlant a R$ 91) e um ótimo Rhône do Domaine de la Graveirette (R$ 67). La Cave Jado, tel. (11) 2478-2001. www.cavejado.com.br

16 Abril 2009 | 10h05

Mais conteúdo sobre:
Paladar cavistes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.