''Os fatos revelados são gravíssimos'', afirma Serra

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou ontem que os fatos revelados pela operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, são "gravíssimos" e a opinião pública deve receber mais explicações sobre o assunto. "Os fatos revelados, inclusive por filmes, são gravíssimos. A Justiça está trabalhando, acho que a opinião pública requer mais explicações a respeito do que aconteceu por parte do governo e da Câmara Legislativa", disse Serra após entrega de 238 apartamentos na Mooca, zona leste da capital paulista.

Julia Duailibi e Evandro Fadel, O Estadao de S.Paulo

01 Dezembro 2009 | 00h00

Imagens em poder da PF mostram indícios de mensalão no Distrito Federal, que seria patrocinado com propina paga por empresas que têm contratos com o governo. Políticos do Distrito Federal, inclusive o governador, José Roberto Arruda (DEM), foram flagrados recebendo dinheiro. O DEM é o principal aliado dos tucanos na corrida presidencial do ano que vem. "Acredito que a Justiça, no caso, será feita porque está trabalhando de uma maneira muito efetiva", afirmou o governador, cotado para disputar o Planalto.

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o episódio envolvendo Arruda não afeta diretamente seu partido. "O PSDB vai tomar suas decisões em razão dos interesses do País e do PSDB", afirmou em Curitiba. Fernando Henrique, porém, deixou escapar que pode haver reflexos para o partido, que faz parte do governo do Distrito Federal. "Isso não afeta a relação do PSDB com o DEM, mas afeta a relação do DEM com o Distrito Federal e, por consequência, também a nossa, não há dúvida", afirmou.

Hoje a Executiva Nacional do PSDB se reúne em Brasília para discutir as implicações do escândalo envolvendo a legenda aliada. Tucanos também estão preocupados com a ausência de palanque no Distrito Federal na eleição do ano que vem - Arruda pretendia disputar a reeleição com o apoio dos tucanos. Na reunião, será discutido se o PSDB deve permanecer no governo de Arruda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.