Os pontos quentes da COP-12

Alguns temas prometem esquentar os ânimos dos participantes da 12ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da ONU - que começa nesta segunda-feira em Nairóbi, no Quênia - seja em reuniões diplomáticas, eventos paralelos ou nos corredores.Fracos e FortesA localização da reunião influencia as conferências. Os problemas que países vulneráveis, como os africanos e as pequenas ilhas, enfrentarão devido à mudança climática - e como os países ricos podem e devem ajudar - entrarão na pauta.Gigante VermelhoA China promete divulgar uma proposta para resolver sua principal fonte de emissão de gases do efeito estufa: a monumental produção de energia baseada no carvão. Como é de praxe no que se refere ao país, nenhum detalhe vazou até agora.Primeiro TempoA primeira fase do Protocolo de Kyoto, quando os países ricos devem diminuir em média 5,2% suas emissões de gases do efeito estufa em relação ao índice de 1990, começa em 2008. Uma avaliação das Nações Unidas mostra que a emissão cresceu entre 2000 e 2004, indicativo do árduo trabalho a ser feito.Segundo TempoAções mais restritivas para conter as emissões devem ser tomadas na segunda fase do protocolo, que começa em 2013. Os debates ainda são informais, porém enérgicos. Além disso, alguns países e, em especial, a União Européia, querem que as nações em desenvolvimento, como Brasil e China, assumam metas para redução de suas emissões. Hoje a carga de responsabilidade sobre elas é mais leve.Criação verde-e-amarelaA proposta de um mecanismo de compensação por redução de desmatamento, que será apresentado pelo Brasil, pode gerar interesse.ExposiçãoO sucesso do documentário Uma Verdade Inconveniente, do americano Al Gore, e a repercussão global do relatório britânico sobre impactos econômicos do aquecimento global põe a questão no centro das atenções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.