Ossada que pode ser de Amarildo é investigada

Uma ossada encontrada em Resende, no sul fluminense, será analisada para que se confirme ou descarte a hipótese de se tratar do pedreiro Amarildo de Souza, morador da Rocinha (zona sul do Rio) desaparecido desde 14 de julho.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

27 de setembro de 2013 | 20h04

Os ossos foram encontrados no último domingo, 22, por um morador do bairro Montese que caminhava perto de um matagal. A cabeça, carbonizada, estava pendurada em uma árvore. Os demais ossos estavam espalhados pelo chão. Segundo a polícia, não há nenhuma razão especial para que se suspeite tratar-se de Amarildo, mas é necessário examinar para que a dúvida seja esclarecida.

Um parente de Amarildo já cedeu material genético que será comparado com o dos ossos. O exame será feito pelo Instituto de Pesquisas e Perícias em Genética Forense, no Rio, e deve ser concluído na próxima quinta-feira, 3.

Mais conteúdo sobre:
AMARILDOOSSADA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.