Otan esfria relações com a Rússia

Ministros condenaram ação militar e declararam apoio à soberania da Geórgia.

Da BBC Brasil, BBC

19 de agosto de 2008 | 11h09

A relação dos países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) com a Rússia irá mudar depois do conflito com a Geórgia, diz um comunicado emitido pelos ministros das Relações Exteriores da aliança depois de uma reunião de emergência, nesta terça-feira, em Bruxelas. "Não podemos continuar com as relações normais. Pedimos que a Rússia demonstre - em palavras e ações - o compromisso com os princípios que regem a base de nossa relação ", diz o texto. A aliança pediu ainda a retirada imediata das tropas russas do território georgiano e acusou a Rússia de estar ocupando militarmente uma nação soberana. Em uma coletiva de imprensa depois da reunião, o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, disse que um encontro do Conselho Rússia-Otan não era possível no momento, mas que o diálogo não seria abandonado. "Enquanto a Rússia não cumprir com as obrigações previstas no plano de paz assinado pelo presidente Dmitri Medvedev, há uma reavaliação das relações da Otan com o país. Se esta reavaliação irá trazer danos mais graves para essa relação, isso é responsabilidade da Rússia", disse Scheffer à BBC. Além de endurecer o tom com a Rússia, os ministros reforçaram o apoio à Geórgia e anunciaram a criação de uma comissão Otan-Geórgia para fortalecer as relações entre a aliança e Tbilisi. RetiradaNesta terça-feira, algumas tropas russas foram vistas deixando a cidade de Gori, fora da Ossétia do Sul e a 70 km da capital georgiana, Tbilisi. A correspondente da BBC em Igueti, Helen Hawkes, afirma que as forças russas ainda controlam a entrada e saída da cidade de Igueti, a 35 quilômetros da capital. A Geórgia acusa a Rússia de não cumprir o compromisso de retirar as tropas, previsto no acordo de paz assinado pelos dois países. Moscou, no entanto, insiste que já iniciou a retirada, mas alertou que o processo será feito de forma lenta e deve terminar apenas no final de semana.O ministério do Interior afirma que forças russas controlam o porto comercial de Poti numa tentativa de enfraquecer a economia do país. O Exército russo não confirmou essas alegações. Autoridades russas afirmaram à BBC que alguns veículos e 100 soldados estariam se dirigindo para a capital da Ossétia do Sul, Tskhinvali, e de lá seguiriam para Vladikavkaz, na Ossétia do Norte. Comunidade internacionalA secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, afirmou que a declaração feita pelos ministros do bloco é uma resposta integral da aliança ao conflito na Geórgia e demonstra as intenções, preocupações e objetivos da Otan. Segundo ela, a Rússia estaria se isolando da comunidade internacional com as ações na Geórgia. Ela deixou claro ainda que a Geórgia poderá entrar aliança. Depois da reunião com seus parceiros da Otan, o ministro das Relações Exteriores britânico, David Milliband, também ressaltou a resposta do bloco ao conflito. Milliband afirmou que o resultado do encontro demonstrava a união real da aliança. Segundo ele, a recusa da Rússia em retirar suas tropas do território georgiano antes do encontro foi uma força unificadora dentro do bloco. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
otangeorgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.