Otan fecha fronteira de Kosovo com a Sérvia

Medida foi tomada depois que grupo de sérvios incendiou postos de controle.

Da BBC Brasil, BBC

20 Fevereiro 2008 | 13h35

Tropas da Otan (aliança militar liderada pelos EUA) fecharam as fronteiras do norte de Kosovo depois que um grupo de sérvios contrários à independência da província destruiu dois postos de controle na fronteira com a Sérvia.Centenas de manifestantes incendiaram os postos em Jarinje e Banja, supervisionados pela ONU e pela polícia de Kosovo.O fechamento das fronteiras deve enfurecer o governo da Sérvia e a população sérvia de Kosovo, que vive predominantemente perto da fronteira, segundo o correspondente da BBC em Kosovo, Nick Thorpe.A Otan afirma que o fechamento deverá durar, inicialmente, apenas 24 horas. Kosovo declarou a sua independência da Sérvia no domingo. Sérvia e Rússia, no entanto, não reconhecem o novo status do que consideram ser ainda uma província sérvia.Retroescavadeiras e explosivosOs manifestantes chegaram à fronteira na terça-feira em comboios de carros e ônibus no que, segundo o correspondente da BBC, pareceu ser uma ação cuidadosamente planejada e coordenada.A polícia de Kosovo e os funcionários de alfândega da ONU foram obrigados a se retirar para um túnel, nas redondezas, enquanto a multidão usava escavadeiras e explosivos para demolir os postos, de acordo com relatos de testemunhas.As forças da Otan foram chamadas ao local e tropas de Estados Unidos, França e Estônia selaram as duas passagens na fronteira.O ministro sérvio para Kosovo, Slobodan Samardzic, disse que seu governo pretende assumir o controle dos postos e estabelecer o que ele chamou de total autoridade do Estado sérvio.ProtestosEstudantes na cidade de Mitrovica, de maioria sérvia, têm organizado protestos diários às 12h44, hora local, em alusão à resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU, na qual a Sérvia insiste ter soberania sobre Kosovo.Em Pristina, o diplomata holandês Pieter Feith começou a desempenhar seu papel como representante especial da União Européia para o Kosovo.Feith - que vai chefiar o escritório civil internacional que deverá assumir as funções hoje ocupadas pela ONU - insiste que a missão da UE será implementada em todo Kosovo, apesar da hostilidade sérvia."Nós precisamos alcançar as comunidades sérvias aqui em Kosovo e estamos, claro, em contato com Belgrado", disse ele.A UE planeja enviar uma missão composta por 2 mil oficiais de justiça e polícia a Kosovo nos próximos meses. 'Separatismo encorajado'A Rússia disse considerar a missão "ilegal" e criticou duramente o papel do bloco europeu em Kosovo. O porta-voz do Ministério do Exterior Mikhail Kamynin disse que ao perseguir "um cenário unilateral" para solucionar o problema de Kosovo, a União Européia "encoraja separatismo no mundo".O porta-voz se pronunciou depois que o alto representante da UE para política externa, Javier Solana, visitou Kosovo.Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, França, Itália e Alemanha já reconheceram o novo Estado, mas outros países não o fizeram. O Conselho de Segurança da ONU está dividido sobre como responder ao anúncio de Kosovo, e ainda não chegou a um acordo sobre nenhuma ação.Membro permanente do Conselho, a China condenou a ação "unilateral", com o argumento de que ela pode ter uma influência seriamente negativa na região dos Bálcãs.A China e outros países que enfrentam pressões separatistas - como a Espanha, que também apoiou a Sérvia - parecem temer que o exemplo de Kosovo inspire ações semelhantes dentro do seu próprio território.Diante da polêmica, a União Européia deixou a decisão a critério dos seus países-membros.Embaixadores chamadosNa segunda-feira, o Parlamento sérvio aprovou uma resolução condenando a declaração de independência de Kosovo.A resolução também anula formalmente os atos do governo de Pristina, afirmando que a soberania da Sérvia sobre Kosovo está garantida pelas leis internacionais.Em outra ação, o governo chamou de volta seus embaixadores nos Estados Unidos, França e Turquia porque esses países reconheceram a independência.A UE tentou apaziguar as diferenças sobre o reconhecimento de Kosovo no início da semana, ressaltando que o caso não abre precedência para outros movimentos separatistas.A Espanha e outros países membros não reconheceram a declaração por preocupação com movimentos separatistas em seus próprios territórios.As forças de segurança sérvias foram expulsas de Kosovo em 1999, depois de uma campanha militar da Otan para acabar com a violência contra os separatistas de origem albanesa.Desde então, a província está sob administração da ONU e proteção da Otan.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
kosovosérviaotanonu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.