Otimismo por Fed diminui e Bovespa fecha no vermelho

A Bovespa fechou a terça-feira no vermelho, após dados abaixo do esperado nos Estados Unidos esvaziarem o otimismo da véspera, com declarações do presidente do Federal Reserve.

ROBERTA VILAS BOAS, REUTERS

27 Março 2012 | 17h43

O Ibovespa caiu 0,97 por cento, a 66.037 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 6,48 bilhões de reais.

Em Nova York, o índice Dow Jones teve queda de 0,33 por cento, enquanto o S&P 500 perdeu 0,28 por cento.

Entre os dados do dia, o de confiança do consumidor dos EUA mostrou recuou em março, com os norte-americanos elevando as expectativas de inflação para o maior nível em 10 meses, de acordo com um relatório do setor privado.

"O otimismo perdeu força e, como os dados de hoje não corresponderam às expectativas, isso reverteu os mercados", disse o economista-chefe da Sul América, Newton Rosa.

Por aqui, o Ibovespa foi pressionado com mais força pelas ações de petroleiras. OGX recuou 3,47 por cento, a 15,28 reais. A empresa lançou nesta terça-feira sua emissão de 1,063 bilhão de dólares em bônus de 10 anos, segundo o IFR, serviço de informações da Thomson Reuters.

A preferencial da Petrobras perdeu 1,69 por cento, a 23,80 reais, enquanto a ordinária caiu 1,32 por cento, a 24,65 reais.

Cyrela engrossou a coluna de perdas, caindo 3,88 por cento, a 17,10 reais, revertendo do início positivo, após ter reportado crescimento de 120 por cento no lucro líquido do quarto trimestre.

Na outra ponta, Gol subiu 2,58 por cento, a 13,14 pontos. Após ter reportado queda de 58,9 por cento no lucro do quarto trimestre, na comparação anual, a empresa afirmou ser necessários reduzir de 80 a 100 voos diários entre março e abril, o que implicará em redução de custo fixo.

Vale também contribuiu para evitar maiores perdas no índice, com a ação preferencial subindo 0,85 por cento, a 41,35 reais, e a ordinária avançando 0,71 por cento, a 42,41 reais.

(Edição de Aluísio Alves)

Mais conteúdo sobre:
OTIMISMO POR FED DIMINUI E BOVESPA FECHA NO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.