Ovos de galinha são usados para fazer vacina

A maior parte dos laboratórios utiliza ovos fecundados de galinha no processo de produção da vacina contra a gripe. Vírus atenuados da doença são injetados dentro dos ovos, que funcionam como meios de cultivo para os micro-organismos. Eles infectam as células do embrião da ave.

, O Estadao de S.Paulo

18 de outubro de 2009 | 01h00

Em um processo com várias etapas, separam-se os vírus das substâncias do ovo. Os microrganismos são, então, misturados a uma solução fisiológica que contém um composto capaz de torná-lo inativo. A vacina está pronta.

Quando a vacina é injetada no organismo humano, os fragmentos do vírus inativo acionam uma resposta do sistema imunológico que produz anticorpos contra o invasor. Se um verdadeiro vírus da gripe entrar no corpo, o sistema imunológico vai reconhecê-lo e produzir os anticorpos certos para destruí-lo antes de provocar a doença.

Alguns laboratórios substituem os ovos por culturas de células. No Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tenta adquirir a tecnologia, mas considera que isso só será possível dentro de alguns anos. Em tese, o novo método permitiria a produção de novas vacinas em menos tempo.

Por enquanto, a única fábrica capaz de produzir a vacina na América Latina fica no Instituto Butantã, em São Paulo, mas ainda não está em funcionamento.

O governador de São Paulo José Serra (PSDB) anunciou que o Butantã deve começar a produção da vacina em janeiro do próximo ano e entregará, até abril, 18 milhões de doses de imunizações contra a gripe suína.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.