Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Pacaembu será concedido para a iniciativa privada

A gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) vai lançar licitação de R$ 350 milhões para a concessão à iniciativa privada do Estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo. O governo desistiu de reformar o espaço com captação de verbas da União, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), após receber visitas de empresas interessadas em administrar o estádio e transformá-lo em arena multiuso para shows e eventos esportivos.

DIEGO ZANCHETTA, Agência Estado

11 de junho de 2013 | 08h16

"Não queremos gastar nenhum centavo de dinheiro público nessa transformação do estádio em arena moderna, igual às que estão ficando prontas para a Copa. Vai ser um espaço ideal para lutas do UFC e para shows", disse o secretário de Esportes, Celso Jatene. "A licitação tem de estar ?na rua? até o fim do ano. O objetivo é o de que ele fique pronto no ano da Copa também", acrescentou Jatene, que discutiu, na segunda-feira, 10, durante audiência na Câmara Municipal a organização da Copa de 2014 na capital.

Prestes a serem inauguradas as arenas do Corinthians (prevista para receber a abertura da Copa) e do Palmeiras (que deve servir como arena de treino para seleções), o Estádio do Pacaembu, com custo de manutenção atual em R$ 11 milhões por ano, corre o risco de ficar sem utilização. "A transformação do estádio precisa começar agora. Esse é o objetivo do nosso governo", acrescentou o secretário.

Veto do MP

A realização de shows no Pacaembu, porém, está vetada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo desde 2004, após a morte de um jovem durante show da banda Racionais MC?s na Praça Charles Muller. Quem moveu a ação para acabar com eventos musicais no estádio foi a associação de moradores Viva Pacaembu. No ano passado, a Promotoria de Urbanismo chegou a mover ação contra o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) após a liberação do local para um evento para 50 mil pessoas da Igreja Universal, em outubro.

"A Prefeitura só pensa o Pacaembu de forma mercantilista. Ele foi construído com dinheiro do contribuinte e poderia ser usado por dezenas de escolas estaduais sem espaço físico para a prática de esportes. Não se pode pensar o estádio só como forma de ganhar dinheiro. Temos de transformá-lo em um espaço para a prática esportiva voltada a crianças mais carentes", defende Iênides Demsati, presidente da Associação Viva Pacaembu.

A Prefeitura argumenta que vai propor a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado e com a Associação Viva Pacaembu.

"Queremos colocar no termo a previsão de um número limitado de shows e com horário predeterminado para o fim. A associação de moradores vai participar de todas as discussões sobre a concessão", argumentou o secretário municipal de Esportes.

A reportagem procurou ontem à noite para comentar o caso o promotor de Urbanismo, Maurício Antonio Ribeiro Lopes, mas ele não foi localizado até as 20h30. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Pacaembuiniciativa privada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.