Paciente de transplante facial faz progressos

Sete meses depois de receber o primeiro transplante parcial de rosto do mundo, Isabelle Dinoire continua a melhorar, dizem os médicos no primeiro relatório detalhado de sua cirurgia, publicado nesta segunda-feira com dramáticas fotos de "antes" e "depois".Dinoire, 38 anos, foi seriamente desfigurada depois de ser mordida por seu labrador de estimação. Ela recebeu lábios, nariz e queixo de uma mulher com morte cerebral em uma operação de 15 horas de duração, em 27 de novembro, na França.Os médicos dizem que os excelentes resultados cosméticos surpreenderam não apenas a paciente mas toda a comunidade médica. "É difícil conceber que o mesmo grau de sucesso... fosse possível com as técnicas existentes" e sem transplante, Patrick Warnke, cirurgião facial da Universidade de Kiel na Alemanha, escreveu em um comentário publicado online pela The Lancet, revista médica britânica.Na mesma publicação, Bernard Devauchelle, da Universidade de Amiens, detalha como ele e outros cirurgiões usaram um material à base de seda natural para drenar os fluidos durante a cirurgia de Dinoire, e mantiveram a face da doadora sobre esponjas congeladas enquanto preparavam a face e a mulher para a troca.Durante a cirurgia, os médicos descobriram que a face doada não possuía um nervo principal, que teria ajudado a animar a porção mais baixa da face de Dinoire. Avanços Uma semana depois do transplante, ela podia comer e mastigar, e sua dicção melhorou rapidamente. Quatro meses depois, o tato havia retornado quase completamente, se estendendo à extremidade de um lábio.Porém, ela ainda não pode mover seu lábio de baixo e sorrir muito bem, e os médicos dizem que ela nunca estará livre da ameaça de rejeição.Ela já passou por isso uma vez, com o novo tecido ficando muito vermelho, como uma máscara. Grandes doses de drogas imunossupressoras colocaram a situação sob controle, mas ela terá que tomar esses medicamentos por toda a vida, para evitar a perda de suas novas feições.Os médicos também removeram um pedaço da pele do antebraço da doadora e o transplantaram para um dos seios de Dinoire. Isso permite que eles façam biópsias periódicas para procurar por sinais de rejeição, sem marcar a nova face.A operação não apenas recuperou sua aparência, mas também sua autoconfiança, tanto que agora ela está querendo sair em público novamente, disseram os médicos.Antes da operação, três psiquiatras concordaram com um quarto especialista independente e afirmaram que ela estava apta a lidar psicologicamente com o procedimento, escreveu Devauchelle. Depois da operação, ela passou por avaliações psicológicas diariamente no primeiro mês e, depois disso, duas vezes por semana. Desde o transplante de Dinoire, a Clínica Cleveland avançou com os planos de realizar um transplante total de rosto, médicos chineses fizeram outro transplante parcial, e um comitê na Inglaterra está considerando um pedido de um médico para realizar um por lá. Devauchelle e colegas disseram que pretendem fazer mais cinco transplantes de rosto, mas que nenhum é iminente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.