Paciente que teve câncer e foi atacada por cães ganha R$ 8 mi na loteria

Nicky Cusack, 43, que pretende continuar trabalhando em supermercado, disse que 'finalmente veio algo de bom' para ela.

BBC Brasil, BBC

07 Julho 2009 | 09h15

Uma britânica que foi atacada por cães em janeiro e dois meses depois teve câncer de mama, acabou conhecendo também o outro lado da moeda "no pior ano" de sua vida, ao ganhar na loteria.

Nicky Cusack, 43, uma mãe solteira de Swindon, em Wiltshire, no sudoeste da Inglaterra, faturou nada menos que 2,5 milhões de libras – cerca de na R$ 8 milhões – na loteria.

Ela disse entretanto que continuará a trabalhar normalmente no supermercado onde é empregada.

"Ainda não caiu a ficha, é surreal", disse Nicky, que foi diagnosticada com câncer de mama em abril, mas há apenas duas semanas teve alta com sessões de quimioterapia e radioterapia.

Em janeiro, ela foi ferozmente atacada por uma matilha de seis cães quando tentava proteger suas filhas.

"Desde janeiro, minha sorte tem sido horrível, foram seis meses horríveis. Finalmente veio algo de bom para mim", disse ela.

Nicky contou que não acreditou quando viu que tinha acertado os números da sorte. "Eu li os primeiros números em voz alta para minha filha Jade, e ela disse: 'você ganhou 10 libras (cerca de R$ 32)."

"Só então eu parei e me dei conta de que eu também tinha todos os outros números. Nós não conseguíamos crer. Liguei para minha filha mais velha, Kelly, e pedi que ela checasse. No começo, ela pensou que eu estivesse brincando, mas depois disse: 'mãe, você ganhou na loteria!"

Nicky afirmou que o sorteio representa para ela a descoberta de "uma luz no fim do túnel".

"Por muito tempo eu estava no fundo do poço e achei que (a luz) não existisse", disse. "Será muito bom pagar minhas dívidas, mas também quero retribuir algo para a (instituição de caridade) Macmillan Cancer."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
inglaterraloteriasortesorteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.