Pacientes com tuberculose devem tomar bastante sol, sugerem cientistas

Pesquisa afirma que altas doses de vitamina D acelerariam significativamente a melhora dos doentes

LONDRES, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2012 | 03h04

Pessoas com tuberculose devem tomar bastante sol, avisam cientistas britânicos. Segundo pesquisa publicada pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, altas doses de vitamina D - produzida no organismo quando o corpo é exposto à luz do sol -, aliadas a tratamento com antibiótico, tornam mais rápida a recuperação de pessoas com essa doença que atinge os pulmões.

A descoberta dos pesquisadores, da Queen Mary University of London, sugere que a vitamina D, em grande quantidade, atenuaria a resposta inflamatória à infecção nos pulmões, reduzindo o dano a esses órgãos.

"Às vezes, essas respostas inflamatórias podem danificar os tecidos dos pulmões", explica Adrian Martineau, especialista em infecções respiratórias que liderou a equipe de cientistas.

Martineau lembra que, no final do século 19 (antes da descoberta dos antibióticos, na década de 1930), os pacientes com tuberculose costumavam ser mandados a retiros, nos quais eram encorajados a tomar bastante sol - um tratamento chamado de fototerapia ou helioterapia.

Os especialistas também sugerem que suplementos de vitamina D, por sua característica de não interferir com a ação de antibióticos, seriam também úteis para pessoas que estejam em tratamento de doenças como pneumonia, sepse e outras infecções que atingem os pulmões.

Para realizar o estudo, os pesquisadores dividiram 95 pacientes que estavam sendo tratados com antibióticos comuns em dois grupos. Durante oito semanas, 44 deles receberam altas doses de vitamina D, enquanto os 51 restantes receberam placebo.

Após serem medidos os sinais de inflamação em amostras de sangue, foi observado que os que receberam a vitamina melhoraram mais rapidamente. A presença da bactéria Mycobacterium tuberculosis, causadora da doença, também deixou de ser detectada em média 13 dias antes nesses pacientes.

As taxas de tuberculose resistente a remédios têm aumentado nos últimos anos, causando alarme entre autoridades de saúde e gerando uma demanda por pesquisas que resultem em novos tratamentos efetivos.

Em 2010, 8,8 milhões de pessoas contraíram tuberculose em todo o mundo. No mesmo ano, essa doença matou 1,4 milhão. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.