Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Pacientes divergem sobre uso de remédio

Enquanto alguns se livraram do sobrepeso com medicamento, outros tiveram parada cardíaca

Felipe Oda, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2011 | 00h00

Um problema de saúde obrigou Mariana Veiga, de 25 anos, a tomar cortisona por 12 dias. Durante o período, a empresária conta que ganhou 10 quilos, efeito colateral do uso do medicamento. Para se livrar do sobrepeso, ela procurou a ajuda de um endocrinologista. "Ele me receitou anfepramona e sibutramina e também me orientou a fazer dieta e exercícios físicos", conta.  

 

Veja também:

link Anvisa quer banir remédios para emagrecer; endocrinologistas reagem

link Riscos superam benefícios, diz Anvisa

link Especialistas falam sobre a questão

Os quilos extras foram perdidos em um mês e meio, segundo Mariana. Desde então, ela deixou de tomar as substâncias e virou uma incentivadora do "uso responsável" dos emagrecedores. "Com orientação médica, não vejo problema."

A professora Roberta Merriotte, de 43 anos, também defende o uso dos remédios. Após uma cirurgia bariátrica, ela voltou a engordar. "Foi então que meu endocrinologista indicou sibutramina. Tive receio de voltar a ter problemas de pressão. No meu caso, tomar o emagrecedor não foi uma decisão apenas estética."

A pedagoga Cristine Paolillo, de 37 anos, não teve a mesma sorte. Depois de engordar 23 quilos durante a gravidez, procurou um médico para perder peso. Teve de fazer apenas exames de tireoide e de sangue, nenhum cardíaco.

No réveillon, dois meses depois de começar a usar a sibutramina, Cristine passou mal e teve três paradas cardíacas. Foi para a UTI, teve o peito aberto e precisou ter um marcapasso e um desfibrilador implantados.

Cristine descobriu ser portadora de um tipo grave de arritmia. "Pedi a Deus para não morrer, porque tinha um filho de 1 ano para criar. A sibutramina foi o gatilho para disparar esse meu problema."

Mariana e Roberta são contrárias à intenção da Anvisa de proibir os emagrecedores. Ambas defendem que a proibição "puniria quem faz o uso correto das substâncias". "Em vez de bani-los, a Anvisa deveria se preocupar em fiscalizar a comercialização dessas drogas", diz Mariana. "Quando um médico receita o uso, está se responsabilizando", avalia Roberta.

Cristine, que hoje faz exames médicos a cada três meses, pensa de modo diferente. "Tive de aprender a comer direito, porque não posso fazer exercícios físicos. Emagreci 4 quilos sozinha, em dois meses. Ainda faltam 10. Mesmo assim, é melhor emagrecer com saúde que ter de tomar remédio." / COLABOROU F.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.