Pacote alemão de 31 bi de euros pode não ser suficiente-Merkel

A Alemanha sabe que seu plano de estímulo econômico pode ser insuficiente, mas não vai tomar novas medidas até o presidente eleito nos Estados Unidos, Barack Obama, assumir o posto, disse a chanceler alemã Angela Merkel nesta terça-feira. Um pacote de medidas do governo alemão, avaliado em cerca de 31 bilhões de euros (42,38 bilhões de dólares), já deve ser colocado em prática em janeiro, mas Merkel tem enfrentado pressões de outros países da União Européia, como a França, para fazer mais. "Nós sabemos que sozinho, ele pode não ser suficiente", disse sobre o primeiro pacote em um discurso em Mannheim, no oeste da Alemanha. "Se o lançamento de um grande programa (econômico) nos Estados Unidos quando o novo presidente assumir o cargo for suficiente, também será correto criar junto um segundo programa na Alemanha", acrescentou. Obama toma posse em 20 de janeiro. O ministro da Economia da Alemanha, Michael Glos, disse na segunda-feira que o governo ainda tem espaço para aumentar seu pacote de estímulo econômico. Glos, que é membro da União Social Cristã (CSU), partido aliado aos Democratas Cristãos (CDU), do qual Merkel faz parte, tem defendido repetidamente a redução de impostos para impulsionar a resposta da Alemanha. Merkel tem dito até agora que acredita que haverá espaço para corte de impostos apenas após a eleição presidencial em setembro. Ressaltando a perspectiva sombria que a economia está enfrentando, a associação de bancos comerciais BdB divulgou mais cedo nesta terça-feira que a Alemanha vai sofrer no ano que vem sua recessão mais profunda desde a Segunda Guerra Mundial. O BdB prevê que a maior economia da Europa deve contrair em "no mínimo 1 por cento" em 2009. A estimativa anterior era de estagnação da economia da Alemanha. Uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) de 1 por cento seria a pior desde a guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.