Pacote da habitação terá R$34 bi para famílias de até 10 salários

O governo anunciou nesta quarta-feira que vai oferecer 34 bilhões de reais em empréstimos e subsídios no Plano Nacional de Habitação voltado a famílias de baixa renda, visando fortalecer a economia e criar empregos. A previsão do Executivo com o plano é gerar 700 mil postos de trabalho.

REUTERS

25 de março de 2009 | 13h15

Os recursos virão do Orçamento da União e do FGTS, para a construção de 1 milhão de moradias sem prazo determinado, informou o governo. O documento divulgado admite que o déficit habitacional no país é de 7,2 milhões de moradias.

Do total a ser investido, 16 bilhões de reais serão destinados a subsídios para a construção de moradias para famílias com renda de 0 até 3 salários mínimos. Nesta faixa, serão construídas 400 mil unidades.

O mesmo volume de moradias será feito para a faixa de 3 a 6 salários mínimos, no programa que atinge famílias de até 10 salários.

A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), que coordenou a confecção do plano, afirmou durante o lançamento para autoridades que o objetivo do governo é compatibilizar o custo da moradia com a capacidade de renda das famílias.

Haverá ainda 5 bilhões de reais para o financiamento à infraestrutura e 1 bilhão de reais do BNDES para financiar a cadeia produtiva da construção civil.

(Reportagem de Fernando Exman e Ana Nicolaci da Costa)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.