Pacote de incentivo vai injetar US$ 600bi na China

Recursos serão investidos em habitação, infra-estrutura e desenvolvimento rural.

Da BBC Brasil, BBC

09 Novembro 2008 | 12h33

O governo da China anunciou neste domingo um pacote de investimentos de quase US$ 600 bilhões para estimular a economia do país, que nos últimos meses vem sofrendo uma desaceleração gradual.O capital deve ser aplicado ao longo dos próximos dois anos em obras de habitação, infra-estrutura e reconstrução das áreas afetadas por terremotos. O plano chinês também prevê cortes fiscais para empresas. Bancos vão ser autorizados a empresatar mais para projetos de desenvolvimento em áreas rurais e de inovação técnica. Analistas dizem que o pacote visa a combater a queda nas exportações e a desaceleração econômica na China, que vêm provocando crise no setor industrial do país.O governo de Pequim já tinha dado indícios de que quer evitar que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) desacelere no ano que vem para menos de 8% e já tinha tomado providências isoladas em vários setores. Estratégia coordenadaO pacote anunciado neste domingo, entretanto, é a primeira iniciativa do governo para uma estratégia coordenada.Durante a semana, a imprensa estatal chinesa chegou a classificar o pacote, então ainda não anunciado, de de medidas "abrangentes e radicais"."Apenas um pacote radical de estímulo pode salvar o país" disse um funcionário do governo, sem se identificar ao jornal oficial da China.Como sinal de que a economia toda está desacelerando, o oficial do governo cita os números de consumo de energia elétrica.A taxa de crescimento de demanda energética caiu de 5,1% em agosto para 3,6% em setembro, segundo ele.Nos últimos três meses o crescimento do PIB chinês desacelerou para 9%, uma queda considerável em relação aos quase 12% registrados ao longo do ano passado, o que reforçou os temores de que mesmo a China não está a salvo da ameaça de recessão.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
chinapequimeconomiacrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.