Padilha: tabu de que sobram médicos é enfrentado

o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta quarta-feira, 17, que está sendo enfrentado o tabu de que sobram médicos no País. Segundo ele, a ideia comum é de que há muitos médicos, mas que estão mal distribuídos. "Mas quando a gente compara o Brasil com qualquer país, estamos muito abaixo no número de médicos", disse, citando Argentina e Uruguai. "Temos poucos e são mal distribuídos", colocou.

LAÍS ALEGRETTI, EDUARDO CUCOLO E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

17 de julho de 2013 | 11h30

Padilha defendeu que o governo tem investido em equipamentos para o setor. "Nos últimos cinco anos, o investimento em infraestrutura feito já demanda mais médicos", afirmou. Ele também voltou a dizer que a prioridade são os médicos brasileiros e que eles não perderão postos de trabalho. "Caso não existam médicos brasileiros em número suficiente para ocupar as vagas, chamaremos os estrangeiros", disse.

O ministro participa hoje de reunião do Conselhão, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), que ocorre no Palácio do Itamaraty. A presidente Dilma Rousseff participará do evento, além de vários outros ministros.

Mais conteúdo sobre:
médicosPadilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.