Padre que bateu carro passava por tratamento, diz bispo

O bispo de São José do Rio Preto (SP), dom Paulo Mendes Peixoto, informou hoje que o padre Aparecido Donizete Bianchi havia passado por tratamento psicológico para se livrar da dependência de bebidas alcoólicas e não tinha autorização da igreja para usar o carro em que bateu de frente com caminhão na noite de sábado, dia 16.

CHICO SIQUEIRA, Agência Estado

19 de abril de 2011 | 19h59

O padre continua internado em estado grave no Hospital de Base (HB) de Rio Preto e corre risco de morrer. Com fratura na bacia e ferimento no pulmão, está em coma induzida, respirando com ajuda de aparelhos. Em nota divulgada à imprensa, Peixoto lembrou que em 28 de março de 2009, após diversos acidentes de trânsito, Bianchi foi afastado do cargo que ocupava na cidade - de diácono da Catedral de São José, a matriz da cidade -, para fazer um tratamento psicológico, que foi autorizado pela família e custeado pela Diocese.

Segundo Peixoto, a medida foi tomada porque a legislação canônica não permitia o afastamento definitivo do padre e seria de responsabilidade do bispo diocesano o encaminhamento dele para tratamento. "Em nenhum momento o bispo diocesano deixou de acompanhar e orientar o padre sobre seu real estado e a necessidade de se submeter a um tratamento; principalmente devido à capacidade que o padre tem de exercer seu ministério de forma frutuosa para a Diocese", diz a nota.

Mais conteúdo sobre:
igrejatratamentopadre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.