Paes acompanha trabalhos da Defesa Civil no RJ

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), que acompanha o trabalho da Defesa Civil nas ruas da capital fluminense por conta da chuva forte que atinge a cidade desde ontem, reúne-se às 12h30 com representantes dos órgãos municipais no Sistema Integrado de Gestão de Emergências para um balanço das consequências das chuvas. Há mais de 22 horas chove no Rio, agora com menos intensidade. Na cidade, os pontos mais afetados são na zona norte.

EQUIPE AE, Agencia Estado

31 Dezembro 2009 | 11h37

Em Copacabana, onde será realizada a principal queima de fogos do réveillon carioca, e nos demais bairros da zona sul, não há muitos pontos de alagamentos. Não há ainda um balanço definitivo sobre o número de vítimas. As informações preliminares giram em torno de dez mortes, a maior parte fora do Rio, em municípios da Baixada Fluminense. Os aeroportos Tom Jobim e Santos Dumont operam por aparelhos. O Santos Dumont fechou por quase uma hora para pousos e decolagens, mas agora funciona normalmente.

Segundo previsão do Climatempo, as chuvas permanecerão durante o dia, mas devem perder intensidade já de noite, devido à entrada de uma frente fria com ventos de origem polar. O instituto diz que a possibilidade de chuva na hora da virada é alta. Até agora, Ilha do Governador (106 mm), Penha (96,6 mm), Bangu (95,2mm), Tanque (91,2 mm) e Medanha (160,8 mm) estão entre os pontos de maior incidência de chuvas na cidade do Rio.

Mais conteúdo sobre:
chuvas RJ Eduardo Paes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.