Paes defende uso de bicicleta elétrica no Rio

Ciclista foi multado durante blitz da Operação Lei Seca, em Copacabana

Gheisa Lessa, estadão.com.br

04 Maio 2012 | 14h57

SÃO PAULO - O prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo da Costa Paes (PMDB) se manifestou a favor do cinegrafista que foi autuado por uma blitz da Lei Seca enquanto conduzia uma bicicleta elétrica no último sábado, 28, na zona sul da cidade.

Paes afirmou na manhã desta sexta-feira, 4, em seu Twitter que na próxima segunda-feira, 7, a prefeitura vai publicar um decreto deixando claro que as bicicletas elétricas devem ser tratadas como as demais em função do incentivo pelo deslocamento em meios de transportes não poluentes.

Ele escreveu ainda: "É óbvio q as elétricas devem ser consideradas como as demais e terem garantidas sua liberdade de circulação com as mesmas regras. / na segunda publicaremos decreto deixando isso claro. A cidade do Rio precisa incentivar o deslocamento por bicicletas."

Paes destaca ainda que as multas aplicadas ao ciclista por agentes da Lei Seca, foi um ocorrido atípico que acabou com os policiais afastados.

Multa. O cinegrafista Marcelo Toscano Bianco foi abordado por agentes da Operação Lei Seca, na madrugada do último sábado, 28 de abril, durante blitz realizada na Rua Francisco Otaviano, em Copacabana. Bianco estava conduzindo uma bicicleta elétrica.

Bianco foi multado por ter recusado fazer o teste do etilômetro, por estar dirigindo sem capacete e por não estar portando Carteira Nacional de Habilitação ou quaisquer autorização do Detran para conduzir um veículo ciclomotor. O total das multas, somam o valor de R$ 1,7 mil e 21 pontos na carteira.

O ciclista colocou em questão a falta de esclarecimento sobre a necessidade de portar autorizações específicas para conduzir bicicletas elétricas. De acordo com o Denatran, todo veículo ciclomotor, incluindo as bicicletas elétricas, exigem autorização específica para serem conduzidos.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Paes ciclista lei seca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.