Paes diz que quer Jogos do Rio como Londres: sem 'elefantes brancos'

Prefeito do Rio de Janeiro afirmou que vai usar o máximo de estruturas temporárias para evitar desperdício.

Eric Brücher Camara, BBC

10 de agosto de 2012 | 15h30

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou nesta sexta-feira que pretende seguir o exemplo de Londres e usar o maior número possível de instalações temporárias para os Jogos Olímpicos de 2016.

Em entrevista coletiva na capital britânica, ao lado do colega londrino, Boris Johnson, marcada por afagos mútuos e piadas, Paes disse ainda que a Olimpíada de Londres foi "a melhor de todos os tempos".

"Sabe o que mais gostei dos Jogos de Londres? Que não construíram nenhum elefante branco. No fim das contas, os Jogos têm que ser algo que vai durar para a cidade. O Rio vai imitar Londres na questão das instalações. Vamos usar o máximo de estruturas temporárias, a não ser que seja algo de que vamos precisar depois dos Jogos, e vamos usar o mais simples que pudermos, sem gastar dinheiro em coisas que terão que ser demolidas no fim", disse.

O prefeito do Rio confirmou que continua em negociações para comprar o estádio de basquete londrino, uma das estruturas temporárias usadas no Parque Olímpico.

No entanto, fez questão de dizer que não há nada concreto.

"Ainda estamos pensando no estádio de basquete. Se tivermos um bom desconto, podemos fazê-lo", disse, lançando olhares insinuantes a Boris Johnson.

Risos

Sem perder tempo, o prefeito de Londres emendou, arrancando risos dos jornalistas:

"Bem que tentei vender a arena de basquete, mas acabei descobrindo que não pertencia a nós."

Em tom mais sério, Paes elogiou muito o sistema de transportes da capital britânica, e afirmou que a equipe carioca que vem observando a organização "aprendeu muito" com os anfitriões dos Jogos de 2012.

Ele afirmou que atualmente o sistema de transporte de massa do Rio atende a apenas 18% da população, mas pretende aumentar a fatia para 60% depois dos Jogos do Rio.

Mesmo contando com uma malha de transportes superior à do Rio, Londres investiu o equivalente a mais de R$ 20,5 bilhões para adaptá-la para os Jogos.

A infraestrutura do Rio, no entanto, ainda está longe de estar pronta.

"Quando tivermos a infraestrutura pronta, teremos que operá-la. Então, vamos seguir o exemplo de Londres", disse Paes.

A colaboração Londres-Rio não deve se limitar ao âmbito governamental. De acordo com autoridades londrinas, empresas britânicas já garantiram 20 contratos associados à próxima Copa do Mundo e Olimpíada.

Até o momento, o valor dos contratos supera os R$ 150 milhões.

Cerimônia de encerramento

Na cerimônia de encerramento de domingo, a bandeira olímpica será oficialmente passada ao prefeito do Rio, cidade que passará a ser oficialmente a sede dos Jogos Olímpicos.

O prefeito de Londres brincou que não pode "garantir completamente que não vou fazer nada louco" na festa.

"Na medida do possível, vou seguir o protocolo", disse, pouco antes de passar "passar um trote" no colega carioca.

Johnson anunciou que tinha um presente para Paes, mas antes que o brasileiro pudesse segurar uma bandeira olímpica dobrada, mandou o funcionário voltar com ela, caindo na gargalhada.

Ainda no clima bem-humorado, Johnson disse que tem "muita vontade de ser útil" para o Rio, oferecendo bens e serviços e até anéis, em referência à decoração olímpica.

"Temos anéis muito bonitos, grandes e várias outras coisas das quais gostaríamos muito de nos desfazer."

Mostrando-se otimista sobre a capacidade de o Rio organizar os Jogos, Johnson disse que foi montado um sistema para isso.

"Não se preocupe, será fantástico", disse. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.