Paes reitera que papa está seguro no Rio

O prefeito Eduardo Paes reiterou nesta segunda-feira, 22, que "o papa Francisco está totalmente seguro no Rio de Janeiro. Sabe que a cidade vai acolhê-lo muito bem". Paes saudou os jornalistas estrangeiros que participam da cobertura da Jornada Mundial da Juventude, que vai de terça, 23, ao dia 28. "Manifestações são coisas normais, ninguém teme isso", comentou ao ser perguntado sobre os riscos que o papa poderia correr na visita ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual, em frente ao qual está marcado um protesto nesta segunda.

ROBERTA PENNAFORT, Agência Estado

22 de julho de 2013 | 12h25

Antes de Paes, o padre Marcio Queiroz, diretor de comunicação da JMJ, falou sobre as últimas mudanças no roteiro do papa no Rio. Ele disse que os peregrinos argentinos que quiserem estar com Francisco na quinta-feira, 25, no Terreirão do Samba precisam apenas se dirigir até lá e provar sua nacionalidade. A capacidade no local é de 15 mil pessoas.

O padre revelou também que, na quinta, o pontífice será levado de carro fechado do Palácio da Cidade, um dos locais de trabalho do prefeito Eduardo Paes, até o Centro de Triagem dos Correios, em Benfica, na zona norte. Lá, ele pegará o jipe aberto para chegar à favela de Varginha, um trajeto de 800 metros, durante o qual poderá ser visto pelos fiéis.

Mais conteúdo sobre:
JMJpapasegurançaPaes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.