Páginas reais

Entre as dezenas de livros sobre o bicentenário da chegada da corte, pelo menos três tratam diretamente de alimentação. Previsto para ser lançado em outubro e ainda sob título provisório, Arte de Cozinha: as Receitas da Corte de Dom João (Editora Senac) é uma reedição do primeiro livro de gastronomia em língua portuguesa, de 1640. No século 19, o cozinheiro Domingos Rodrigues, o preferido do monarca comilão, já fizera uma adaptação. Quase 200 anos depois, a tarefa coube à chef Flávia Quaresma, do Carême, que fez uma releitura de 40 receitas. A historiadora Paula Pinto e Silva contextualiza. Também em outubro chega às livrarias Banquetes Reais (Jorge Zahar Editor). Escrito por Ana Roldão, historiadora portuguesa especializada em gastronomia do século 19 e gerente do Museu Imperial de Petrópolis, onde mantém um restaurante, traz histórias dos hábitos alimentares da família imperial num enredo romanceado. Outra publicação que trata de gastronomia, indiretamente, é O Jardim de Dom João (Casa da Palavra), de Rosa Nepomuceno. Já nas livrarias, o livro sobre o Jardim Botânico do Rio, inaugurado por d. João VI em 1808, ano da chegada da corte, mostra a ligação do lugar com o desenvolvimento da agricultura no Brasil. ''''Plantas úteis foram sempre foco das pesquisas. O trabalho de aclimatação das espécies feito ali foi fundamental para o País. D. João sabia da importância desses estudos'''', diz Rosa.

Bruno Agostini, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2008 | 03h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.