Pague Menos suspende plano de IPO--fontes

A rede de drogarias Pague Menos engrossou nesta quarta-feira a lista de empresas que recuaram dos planos de abrir capital este ano, ao decidir suspender a sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na Bovespa, segundo três fontes próximas à operação afirmaram à Reuters.

VIVIAN PEREIRA, Reuters

11 de julho de 2012 | 17h59

De acordo com uma das fontes, a decisão foi motivada pelo atual cenário macroeconômico e do mercado de capitais. Outra fonte próxima à empresa disse que a Pague Menos decidiu "não fazer o IPO com os números do primeiro trimestre".

A empresa não havia divulgado ainda o total de ações que seriam colocadas à venda, a faixa estimativa de preço e o cronograma da oferta, que teria emissões primária e secundária. O lançamento da oferta, entretanto, estava previsto para acontecer no final de junho.

Segundo o IFR, um serviço da Thomson Reuters, o IPO da Pague Menos teria giro financeiro de perto de 1 bilhão de reais. Conforme uma das fontes, a intenção da companhia era movimentar até 500 milhões de dólares.

"(A Pague Menos) vai fazer o IPO em algum momento... mas o Brasil perdeu o brilho neste momento, esse é o grande motivo por trás da decisão (de suspender a oferta)", disse uma fonte.

Consultada, a companhia não comentou oficialmente o assunto.

Os coordenadores da oferta são Itaú BBA (líder), BB Investimentos e Credit Suisse, conforme prospecto disponível no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Outras quatro empresas desistiram de realizar IPO este ano na Bovespa até agora: Brasil Travel, Seabras, Isolux e CVC.

No segmento farmacêutico, a Brazil Pharma, holding de farmácias do BTG Pactual, obteve no final de junho 553,15 milhões de reais em distribuição primária e secundária de ações ordinárias. A companhia estimava o valor da operação em cerca de 600 milhões de reais.

A expectativa do mercado era de que a precificação e a performance da ação da Brazil Pharma tivesse influência sobre o IPO da rede Pague Menos, ainda de acordo com o IFR.

Fundada em 1981 e controlada pelo empresário cearense Deusmar Queirós, a Pague Menos tem 540 lojas distribuídas em todos os Estados do país e no Distrito Federal.

De acordo com o ranking da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), a Pague Menos ocupa o terceiro lugar em faturamento no setor no país, seguida por Raia Drogasil e da Drogaria São Paulo.

Desconsiderados os movimentos de fusões e aquisições no setor no último ano, a Pague Menos seria líder em termos de faturamento e número de lojas.

(Reportagem adicional de Guillermo Parra-Bernal)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASPAGUEMENOSSUSPENDEATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.