Pai de Michael Jackson processa médico por morte de cantor

Joe Jackson entrou com ação de reparação por morte culposa, um ano depois da morte do filho.

BBC Brasil, BBC

25 de junho de 2010 | 23h57

Um ano depois da morte de Michael Jackson, o pai do cantor entrou com um processo contra o médico particular do cantor, acusado de fornecer a Michael o medicamento que o levou a ter uma overdose.

Joe Jackson entrou com uma ação de reparação por morte culposa contra o médico Conrad Murray. Ele também acusa o médico de negligência profissional pelo fato de Murray ter administrado ao cantor a mistura de sedativos e medicamentos, entre eles o anestésico propofol.

O processo de Joe Jackson busca uma indenização de mais de US$ 75 mil (cerca de R$ 133 mil). Além de negligência o processo também acusa Murray de treinamento insuficiente e sigilo, entre outras acusações.

Uma porta-voz de Conrad Murray afirmou que o médico não vai fazer comentários até que seus advogados tenham analisado o processo.

O processo do pai de Michael Jackson corre paralelamente com o julgamento criminal contra Murray pela morte do cantor, que deve começar em 2011. O médico já alegou inocência da acusação de homicídio culposo involuntário.

Murray era o médico de Jackson enquanto ele se preparava para uma série de apresentações em Londres.

Um ano

Joe Jackson entrou com o processo contra Conrad Murray no dia em que fãs do mundo inteiro marcaram um ano da morte de Michael Jackson.

Em Nova York, no teatro Apollo - onde Jackson e seus irmãos venceram um concurso de talentos e, em seguida, assinaram um contrato com a gravadora Motown Records - fãs imitaram os famosos passos de dança do cantor. Uma carta da mãe de Jackson, Katherine, também foi lida em frente ao teatro.

Na cidade onde o cantor nasceu, Gary, no Estado americano de Indiana, Katherine Jackson participou de uma cerimônia em memória ao cantor, em frente à casa onde Michael Jackson passou a infância, e inaugurou um monumento em homenagem ao filho.

Outros membros da família visitaram o cemitério em Los Angeles onde o cantor foi sepultado e acenaram para alguns dos fãs reunidos fora do cemitério.

Em Tóquio, no Japão, 50 fãs foram escolhidos para passar a noite em uma exposição de objetos pessoais do cantor.

E, na Grã-Bretanha, Michael Jackson foi apontado como o artista que mais vendeu discos desde sua morte em 2009, com 4,3 milhões de cópias.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.