Pai, mãe e dois filhos são internados com botulismo

A suspeita é de que pedaço de mortadela tenha causado a doença; PM levou de helicóptero soro para o interior de SP

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO / FRANCA, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2012 | 03h06

Uma família inteira está internada em Santa Fé do Sul, a 640 km de São Paulo, com botulismo. Para dar às quatro pessoas o soro específico contra a doença - que só é encontrado em alguns locais, entre eles na capital paulista -, a Polícia Militar montou uma operação que contou até com helicóptero. O pai e a mãe já estão em um quarto, sem previsão de alta, e os dois filhos seguem em estado grave, com respiração artificial na UTI.

Benedito José dos Santos, de 38 anos, Elisete Garcia, de 30, e os filhos Juliana Bruna, de 12, e Cristiano, de 9, chegaram ao hospital domingo, com vômito, diarreia, dificuldade de locomoção e visão embaçada. O quadro se agravou, e os médicos tiveram certeza tratar-se de botulismo.

Os quatro teriam comido mortadela antes de adoecerem. Amostra do alimento suspeito, comprado em um supermercado da cidade, está sendo analisada. Segundo um funcionário do hospital, a família chegou em estado grave, principalmente as crianças, que não conseguiam falar e quase não enxergavam. Visão dupla e embaçada é um dos sintoma da doença e, conforme o estágio avança, a vítima pode ter os músculos e até o diafragma paralisados, que pode causar asfixia e levar à morte.

O médico José Maria Ferreira dos Santos disse que, se não fosse a rapidez da PM para levar o soro, algumas das vítimas poderiam não ter resistido.

Para que o soro chegasse no prazo máximo de seis horas, médico, enfermeiro e policial foram de helicóptero pegar o soro no Instituto Pasteur, no centro da capital, para embarcá-lo em um avião que decolou do Campo de Marte, na zona norte. Segundo o Grupamento Aéreo da PM, o Comando da Aeronáutica permitiu que a aeronave saísse da rota habitual, para seguir em linha reta de São Paulo até Santa Fé do Sul, concluindo o percurso em uma hora e quinze minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.