País ganha obra sobre história da África

A história da África, contada por 330 pesquisadores, dois terços deles africanos, ganhou versão em português. A coleção (6 mil páginas em 8 volumes), publicada originalmente pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco) entre 1960 e 1990, é considerada a mais importante obra sobre o continente e a primeira contada a partir do ponto de vista de seu povo.

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2010 | 00h00

A edição brasileira - uma parceria entre a Unesco, o Ministério da Educação (MEC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) - tem o objetivo de suprir a falta de material didático, o que dificulta a adoção nas escolas do estudo da cultura e da história da África, como determina a Lei 10.639, publicada em 2004.

"A lei está sendo implementada, mas muitas vezes por um trabalho solitário do professor", diz Leonor Franco de Araújo, coordenadora-geral de Diversidade da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC.

O trabalho de tradução, revisão técnica e adaptação às normas ortográficas custou R$ 2 milhões e reuniu 45 pesquisadores do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFSCar, coordenado pelo cientista social Válter Silvério. A coleção está dividida por períodos, da pré-história até o período pós- lutas de libertação, na segunda metade do século 20.

"A coleção dá oportunidade de entender o significado do colonialismo - o quanto a África perdeu e se desorganizou do ponto de vista cultural com esse processo", afirma Silvério.

O trabalho dos pesquisadores da UFSCar inclui a produção de material didático, a partir da coleção História Geral da África. Os livros - dois volumes-síntese, acompanhados de guia pedagógico para professores, atlas geográfico-cultural da diáspora africana na América Latina e um volume para cada fase do ensino, do infantil ao ensino médio - fazem parte do projeto Brasil-África - Histórias Cruzadas, que traça a influência da cultura africana no cotidiano dos brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.