Países devem assumir metas de consumo responsável, diz Izabella

Indagada sobre um possível resultado concreto da Rio+20, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, defendeu ontem que os países sejam obrigados a assumir compromissos para a produção e o consumo sustentáveis. Para ela, seria "excepcional" se a conferência terminasse com "uma obrigação para todos".

FELIPE WERNECK / RIO, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2012 | 03h11

Izabella não detalhou como seriam essas obrigações. Citando os países desenvolvidos, ela afirmou que "os padrões de consumo deles não podem ser replicados para todo o planeta". A ministra participou ontem do evento Sustentável 2012, promovido pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), no Rio.

Questionada sobre as críticas em relação à suposta falta de ousadia do Brasil na liderança das negociações para a Rio+20, a ministra afirmou que a avaliação é equivocada. Como anfitrião, disse ela, o País precisa "assegurar resultados". "A ousadia está em incluir todos e fortalecer o multilateralismo. Isso é uma convicção. Não estamos negociado bilateralmente. Estamos negociando a ambição de um futuro melhor com todos os países."

Cúpula dos Povos. A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky, integrante do Grupo de Articulação da Cúpula dos Povos e representante do Instituto de Estudos Socioeconômicos, criticou ontem a agenda ambiental do governo e justificou a ausência da cúpula nos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, reuniões promovidas pelo governo às vésperas da Rio+20.

"A política ambiental brasileira tenta conciliar o inconciliável. Querem combinar o interesse do setor produtivo faminto por expansão, incentivos fiscais e pela liberação de dívidas de toda sorte", disse Iara no seminário promovido pela Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong), no Rio. / HELOISA ARUTH STURM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.