Países fecham acordo para eliminar substâncias que prejudicam camada de ozônio

Pacto envolve 200 países e fixa prazos para eliminação total; camada protege a Terra contra a radiação ultravioleta

Reuters,

22 de setembro de 2007 | 11h59

Representantes de mais de 200 países aprovaram, na madrugada deste sábado, 22, um acordo para eliminar substâncias que agridem a camada de ozônio. O anúncio foi feito pelas Nações Unidas.   O acordo foi decidido em uma conferência em Montreal e marcou o 20º aniversário do protocolo de Montreal, que determinou a proteção da camada de ozônio. Esta camada, que circunda a Terra, é responsável pela proteção da radiação ultravioleta.   Os Estados Unidos querem que os representantes dos países definam um prazo para que substâncias como o gás CFC (substância que provoca a destruição da camada de ozônio) sejam eliminadas do processo produtivo dos países. A idéia é que isso ocorra entre 2020 e 2030 nos 200 países e até 2040 em todo o mundo.   O gás CFC é usado em aparelhos de ar condicionado e refrigeradores. Ele provoca a destruição da camada de ozônio. Com isso, os raios ultravioleta, que podem provocar câncer de pele, atingem a Terra diretamente.   "O pensamento do programa United Nations Environment (UNEP) é que este procedimento seja feito o mais rápido possível", disse Nick Nuttall, porta-voz do programa.   Os detalhes da Conferência de Montreal serão divulgados ainda neste sábado. Nuttall disse ainda que espera que o acordo seja aprovado no plenário da conferência, sem nenhum problema ou atrasos.

Tudo o que sabemos sobre:
Camada de Ozônio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.