Palmeiras foge da pressão e vai para Itu

Time se concentra no interior para jogo com o Atlético-MG, domingo

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2009 | 00h00

O Palmeiras escolheu o interior de São Paulo para acalmar os ânimos, treinar com tranquilidade e se preparar para as duas decisivas partidas do Campeonato Brasileiro. O time viaja hoje para Itu e fica até sábado, um dia antes do confronto com o Atlético-MG, no Palestra Itália.

Muricy Ramalho não é adepto dos retiros. Nos mais de três anos em que dirigiu o São Paulo nunca deixou a capital. No clube tricolor, não necessitava fazer viagens - todos se concentravam no Centro de Treinamento quando era preciso reunir o elenco por mais de um dia. O Palmeiras, sem estrutura para juntar o grupo na Academia de Futebol, precisa escolher alguma cidade, como também faz na pré-temporada.

No Alviverde, Muricy viajou para Atibaia uma vez. A cidade é a predileta de Vanderlei Luxemburgo - o técnico viajou para lá com o time em nove ocasiões desde 2008. Atibaia recebeu os jogadores e o novo técnico após sequência de quatro jogos sem vencer - empate com Avaí e derrota para Náutico, Flamengo e Santo André. Em seguida, após três dias longe de São Paulo, a vitória veio contra o Goiás: 4 a 0, no Palestra Itália.

Como o hotel em Atibaia já estava lotado, a diretoria optou pelo local em que o Corinthians costuma se concentrar em Itu. Os jogadores não são muito favoráveis em deixar a capital. "Se a gente estivesse na frente, ganhando os jogos, não haveria retiro nenhum", falou Edmílson. "Para os mais experientes, é meio cansativo, mas é a nossa profissão."

Os atletas concordam que a ida para Itu pode ao menos ajudar a recolocar o time nos trilhos. "É válido, vamos ficar juntos e conversar bastante", afirmou Edmílson. "Lá a gente dorme e se alimenta melhor", disse o zagueiro Marcão.

Ainda sonhando com o título, mas sabendo das dificuldades para conquistá-lo, o Palmeiras aposta suas fichas primeiramente no confronto contra os atleticanos - na última rodada, o desafio é contra o Botafogo. "É o jogo da nossa vida", definiu Marcão. "Se nos deram chances, temos de agarrar." Edmílson avisa que o time está confiante e motivado. "Trabalhamos o ano todo para ser campeões, e não vai ser surpresa." Para contrariar os matemáticos e levantar o troféu, o time precisa vencer suas duas partidas e torcer por tropeços de São Paulo, Flamengo e Inter.

A vaga na Taça Libertadores de 2010 também passa pelo jogo de domingo. O Atlético está a 3 pontos do Palmeiras e pode ultrapassá-lo com a vitória. "Será frustrante se a classificação não vier, vai ter o mesmo gosto de quem for rebaixado", comentou Marcão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.