Palmeiras lava roupa suja e diretoria volta a fazer ameaça

Clube mantém decisão de punir Obina e Maurício e avisa: quem não estiver contente pode ir embora

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

21 de novembro de 2009 | 00h00

A sexta-feira do Palmeiras foi marcada por conversas, broncas e cobranças. Treino? Apenas uma corrida no campo após as quase duas horas de reunião entre atletas, comissão técnica e diretoria. "Foi para corrigir o desvio do caminho", disse Toninho Cecílio, gerente de futebol.

Havia muito tempo que o grupo não demorava tanto numa reunião. Com Vanderlei Luxemburgo, e até mesmo Muricy Ramalho, as conversas duravam no máximo uma hora. Ontem foi diferente. A situação está complicada. Os jogadores não concordaram com a dispensa dos brigões Obina e Maurício - o atacante foi devolvido ao Flamengo e o zagueiro será emprestado a algum clube - e tentaram convencer a diretoria a mudar de ideia.

"Tentamos contornar a situação e o que nos resta é desejar sorte a eles", contou o volante Pierre. "O grupo ficou muito triste." Toninho Cecílio não quer ninguém de cabeça baixa e avisou: "Se alguém ficou descontente (com a decisão) é só passar na minha sala e pedir para ir embora. O que aconteceu foi uma vergonha e um absurdo. Disse que vamos tomar as mesmas medidas se o episódio se repetir", ameaçou.

As declarações do goleiro Marcos e do zagueiro Danilo após a derrota de 2 a 0 para o Grêmio, na quarta-feira, mostraram um grupo dividido. Eles disseram que há jogadores com a cabeça na Europa e falta comprometimento a alguns. Toninho não gostou do que ouviu. "Não quero mais discussões públicas. Não gostei do que foi falado, não achei adequado."

Alguns atletas também estão descontentes com as constantes broncas de Marcos. "Respeito a posição do Marcão, que é um ídolo, mas é complicado (dar entrevistas polêmicas) num momento como esse. Traz coisas negativas e agora é a hora de nos unirmos", disse Pierre.

O grupo espera que a reunião de ontem sirva, ao menos, para o time conseguir bons resultados nos dois jogos restantes do Brasileiro, contra Atlético-MG e Botafogo, e, assim, chegar à Libertadores de 2010.

CONFIRMADO

Toninho garantiu a permanência do técnico Muricy Ramalho para a próxima temporada. O contrato vai até dezembro de 2010. "Não há dúvidas que ele fica."

Duas viaturas da Polícia Militar protegeram a entrada da Academia de Futebol ontem. Apenas quatro torcedores foram ao CT para reclamar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.