Palocci tem novo pedido de liberdade negado pelo STJ

Para o ministro Felix Fischer, há 'riscos de reiteração' de atividades ilícitas destacados em pedido de prisão

Rafael Moraes Moura e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2016 | 15h53

BRASÍLIA - O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Felix Fischer negou um novo pedido de liberdade do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, preso na 35.ª fase da Operação Lava Jato. A decisão foi tomada no dia 7 de novembro e comunicada nesta quarta-feira, 16, pela assessoria da corte.

Em setembro, o juiz federal Sérgio Moro decretou a prisão preventiva de Palocci, atendendo a pedido da Polícia Federal e da Procuradoria da República. Palocci é acusado de ter recebido em propina da empreiteira Odebrecht R$ 128 milhões - parte desse valor teria sido destinada ao PT e usada para cobrir as despesas da campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010.

A defesa de Palocci impetrou um habeas corpus sob a alegação de que não há requisitos que justificariam a prisão preventiva. Fischer, no entanto, não encontrou "flagrante ilegalidade" ao analisar o caso.

"É de dizer-se que a fundamentação da decisão que decretou a prisão preventiva do paciente é extensa e pormenorizada, indicando dados concretos tendentes a viabilizar a medida constritiva", argumentou ele em sua decisão. Fischer já havia negado no mês passado um outro pedido de liberdade apresentado pela defesa do ex-ministro.

"Os riscos de reiteração e persistência na prática de atividades ilícitas, evidenciados na decisão que decretou a prisão preventiva, conformam, neste momento, o requisito da garantia da ordem pública, densificando-o diante das singularidades da situação concreta", ressaltou Fischer.  A Quinta Turma do STJ ainda julgará o mérito do habeas corpus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.