Pão de Açúcar avança em postos de combustível

Grupo fecha acordo de gestão com a Rede Duque, dona de 35 postos no Estado de São Paulo

Paula Pacheco, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

O Grupo Pão de Açúcar anunciou ontem ter fechado um acordo de gestão com a Rede Duque de postos de combustível, que inclui os 35 postos e as 24 lojas de conveniência. Os valores envolvidos não foram revelados. O contrato terá validade de 20 anos e a remuneração será por meio de um porcentual sobre o lucro do negócio. Os rumores sobre um possível negócio já circulavam havia pelo menos seis meses. A rede de postos Duque opera apenas no Estado de São Paulo. O Pão de Açúcar também não revelou se pretende transformar o contrato de gestão em aquisição das unidades.

Com o acordo, o Pão de Açúcar aumenta sua aposta no setor de combustíveis. O grupo já era dono de 78 postos com as bandeiras Extra (49 unidades), CompreBem (15 unidades), Sendas (8 unidades), Pão de Açúcar (5 unidades) e Extra Fácil (1 unidade). A entrada do grupo no ramo de distribuição de combustíveis aconteceu em 1998, com a abertura de um posto numa loja do Extra em Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Após a negociação com a Rede Duque, a companhia começa a tirar do papel os planos de ampliar a operação de postos de combustíveis. A empresa também tem na gaveta o projeto de deslanchar na área de farmácias.

No curto prazo, não há previsão de fazer algum tipo de conversão de bandeiras entre as duas empresas - de Duque para uma das marcas do Grupo Pão de Açúcar ou vice-versa.

Também não foi detalhado pela diretoria de relações com investidores do Pão de Açúcar se o grupo tem a intenção de fazer um aporte de capital para ampliar ou reformar os postos e lojas de conveniência da Duque. O negócio ainda está sujeito a aprovação em assembleia do Pão de Açúcar.

Além da empresa de Abilio Diniz, também estava na disputa pela Rede Duque o banqueiro André Esteves, do grupo BTG, que já é dono das bandeiras de postos Via Brasil e Aster. Um eventual acordo com a Duque consolidaria a posição do BTG no mercado de postos de combustíveis.

EXPANSÃO

O ano de 2009, apesar da crise global, tem sido de crescimento no Pão de Açúcar. Em junho, a companhia voltou ao posto de maior rede varejista do Brasil, ao comprar a operação do Ponto Frio. Arrematou 455 lojas e pagou R$ 824,5 milhões, pelo equivalente a 70,24% do capital da companhia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.