Pão de Açúcar lança dois sites para comércio eletrônico

O Grupo Pão de Açúcar está colocando no ar este mês dois sites de comércio eletrônico, das bandeiras Pão de Açúcar (www.paodeacucar.com.br) e Extra (www.extra.com.br). O lançamento faz parte de um processo iniciado no início de 2001, quando a companhia decidiu que o Amélia - divisão de comércio eletrônico do grupo - deixaria de ser uma unidade independente para se aproximar das demais marcas do grupo. Segundo informações da companhia, desde aquela época o Amélia passou a integrar a comunicação e alinhar as ofertas à operação das redes de lojas da companhia, ampliando as possibilidades de captar clientes do mundo físico para o mundo virtual e vice-versa. Público fielApesar das duas novas unidades, "o objetivo do Pão de Açúcar é manter a marca Amélia", garantiu o diretor de comércio eletrônico do grupo, Luís Furtado. De acordo com ele, o público do site Amélia tem se mostrado fiel. Nos últimos três meses, informou, 76% das compras feitas no Amélia foram de clientes antigos. Com os novos sites, os clientes virtuais que entrarem pelo Amélia e quiserem comprar produtos alimentícios serão encaminhados para o site do Pão de Açúcar, enquanto o Extra venderá os artigos não-alimentícios, como os eletroeletrônicos. MídiaO diretor explicou que o processo de integração dos negócios à rede física do grupo Pão de Açúcar já havia sido feita e a reformulação visa a permitir um trabalho de mídia conjunta. Segundo Furtado, todas as peças publicitárias irão mostrar as unidades de negócios do grupo associadas à página na Internet. "As despesas de marketing serão dez vezes menores", afirmou.Ele disse que a apresentação da página do Amélia na rede mundial foi alterada, mas a estrutura do site será mantida ? incluindo a disposição dos produtos, mecânica de navegação e senhas. ExtraA nova página do Extra na Internet terá promoções e produtos exclusivos. O site comercializará inicialmente uma linha de 1.300 itens não-alimentícios, entre eletrodomésticos, eletrônicos, artigos de informática, esporte e lazer. Futuramente, serão oferecidos também, CDs e brinquedos. O site fará entregas em todas as regiões do País com desconto de frete progressivo e proporcional ao valor da compra ? quanto maior a quantidade de itens adquiridos, menor será o frete. A promoção de parcelamento em até 10 vezes no cartão Mastercard deve ser mantida. Pão de AçúcarO executivo disse que poderá haver também algum diferencial de preço para alguns produtos em relação às lojas físicas. O mesmo vale para o segmento de supermercados, que tem 2.000 itens de alimentação, perfumaria, bazar e artigos de higiene e limpeza. O site passou a agregar também os benefícios do programa de relacionamento "Pão de Açúcar Mais", antes disponíveis apenas na rede física de lojas. O diretor de comércio eletrônico do Pão de Açúcar disse que o ticket médio registrado nas transações virtuais do grupo pelo Amélia passou de R$ 260,00, em janeiro, para R$ 349,00, o que representa um crescimento de 34,2%. Segundo ele, o valor pode aumentar até o final do ano no ramo de supermercados, graças a promoções alinhadas com o perfil dos clientes, como a venda de vinhos em caixas fechadas. EntregaO grupo realiza hoje a entrega de 80 mil itens/dia nos período de pico, resultado que era de 40 mil a 60 mil no início do ano. "A capacidade total é de 100 mil itens/dia, que pretendemos atingir até o Natal", disse. A base de clientes da loja virtual, afirmou o executivo, evoluiu de 93 mil no final de 1999 (ainda como Pão de Açúcar Delivery) para os atuais 260 mil.Furtado prevê que o Amélia deve atingir o equilíbrio financeiro em meados de 2002. Ele afirmou que a unidade vem mostrando melhora operacional, conseguindo reduzir em quase três vezes o prejuízo verificado no quarto trimestre do ano passado. Atualmente, o grupo não divulga os números segmentados do Amélia, que entram na consolidação dos resultados. O executivo afirmou ainda que o porcentual de faltas nas transações virtuais ? que mede a parcela de produtos que deixaram de ser entregues ? vem caindo. O indicador, que variava de 3% a 5% em janeiro deste ano, recuou para algo em torno de 0,7% a 1%, disse o diretor. "O resultado foi obtido com investimentos em tecnologia e logística", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.