Pão de Açúcar monta plano de sucessão

Enéas Pestana é promovido e deve assumir presidência em 2010

Reuters, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

15 Dezembro 2009 | 00h00

O Grupo Pão de Açúcar anunciou ontem sua estratégia para a substituição do atual presidente-executivo do grupo, Claudio Galeazzi. O sucessor será Enéas Pestana, que ocupa hoje o cargo de vice-presidente executivo, e vai passar por um período de transição até assumir o posto, o que deve ocorrer em dezembro do próximo ano. Nesse período, Pestana será o vice-presidente executivo de operações sênior.

Nessa estrutura de transição, "Pestana vai se reportar diretamente a Galeazzi e incorporará três vice-presidências executivas, ocupadas por Hugo Bethlem, José Roberto Tambasco e Ramatis Rodrigues, além do GPA Malls and Properties, liderado por Caio Mattar", informou o grupo em comunicado. A empresa divulgou que está em fase final para contratação de um executivo para o atual posto de Pestana, que terá sob sua gestão as áreas de contabilidade, controladoria, tributária, tesouraria e jurídica.

Pestana está no Grupo Pão de Açúcar desde 2003. É formado em Ciências Contábeis e construiu sua carreira nas áreas administrativa e financeira. Antes do Pão de Açúcar, trabalhou em grupos como o Diagnósticos da América S/A (Dasa) e GP Investimentos. No dia 2 de dezembro, em entrevista à Reuters, o executivo havia dito que o plano de sucessão de Galeazzi estava sendo supervisionado pelo presidente do conselho, Abilio Diniz, e que estava "caminhando bem". Mas não deu mais detalhes.

O grupo que Pestana deve vir a dirigir será muito maior que o assumido por Galeazzi, em 2007. Nesse período, a empresa fez várias aquisições que a transformaram na maior rede varejista do País, com uma receita equivalente à soma dos rivais Carrefour e Walmart. Só neste ano, o grupo incorporou a rede Ponto Frio e as Casas Bahia.

Para Claudio Galeazzi, o atual momento da empresa foi determinante na definição desse organograma e no processo de transição. "Conduzimos a reestruturação dentro de bases sólidas e consistentes, o que fará desse processo de transição e desenvolvimento algo bastante tranquilo e transparente para todos", disse, em comunicado.

O grupo informou que seus objetivos para 2010 são, entre outras coisas, expansão, especialmente da rede Assai e Extra Fácil; crescimento de vendas (no conceito) mesmas lojas acima da inflação; manutenção do programa já implementado de controle de despesas; e maiores ganhos de eficiência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.