Pão de ló e caramelo, com ar nipônico

Primeiro doce do Japão surgiu por acaso

Paula Moura,

02 de setembro de 2010 | 09h30

O primeiro doce do Japão surgiu por acaso. Tentando encontrar um método para conservar o arroz, os japoneses pilaram o cereal, o que deu origem a uma massa elástica, a base do moti.

Ao longo dos tempos, outros doces foram incorporados ao receituário, como os feitos de farinha de arroz e fritos no óleo, de origem chinesa, além dos manjus, elaborados com farinha de arroz e recheados de pasta de feijão, cozidos no vapor.

 

Veja também:

linkWagashi ou yogashi?

linkNa trilha do mangá, um sorvete de chá

link‘Invasores’ viraram doces de toda hora

linkO biscoito do imperador

linkUma suave briga de sabores

 

Bem mais tarde, os portugueses levaram ao país o pão de ló e os caramelos - ambos feitos hoje à moda nipônica, com menos açúcar, ingredientes locais e formas diferentes.

A implantação do chá-verde no séc. 13 contribuiu para o hábito de comer wagashi, que mais tarde começou a ser usado na cerimônia do chá.

Mas a grande evolução dos doces no Japão aconteceu no período Edo (séculos 17 a 19), em que o país ficou fechado à influência estrangeira.

O cardápio do Toraya, que faz doces para a família imperial desde o século 16, comprova a evolução. No início, a confeitaria oferecia 18 tipos de doces. Na primeira metade do século 19 já eram 300. Hoje a loja tem mais de mil variedades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.