Papa Bento XVI envia mensagem de fé às famílias

No fim da tradicional Via-Crúcis no Coliseu de Roma, o pontífice afirmou que, mesmo nas dificuldades, 'a família não está sozinha'

VATICANO, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2012 | 03h06

O papa Bento XVI celebrou ontem a Sexta-Feira Santa com uma mensagem às famílias, em um momento em que a população de vários países europeus enfrenta as consequências da crise econômica.

"Nos tempos atuais, a situação de muitas famílias se agrava, pela precariedade do trabalho e por outros efeitos negativos da crise", afirmou o papa, no fim da tradicional Via-Crúcis no Coliseu de Roma, que lembra o calvário e a crucificação de Cristo.

"A experiência do sofrimento e da cruz marcam a humanidade e a família. Quantas vezes o caminho se torna difícil e cansativo, dividido, com preocupações sobre o futuro dos filhos, com doenças e dificuldades de vários tipos", disse. "Na aflição e na dificuldade, não estamos sós. A família não está sozinha. Jesus está presente com seu amor."

Milhares de peregrinos participaram da peregrinação, carregando velas em torno do monumento, que relembra o martírio dos primeiros cristãos.

Aparentemente bem disposto fisicamente, Bento XVI, que completa 85 anos neste mês, observou o cardeal de Roma, Agostino Vallini, carregar a cruz no começo da procissão. O ritual foi seguido por famílias da Itália, Irlanda, Burquina Fasso e Peru.

O papa começou anteontem as celebrações da Semana Santa, que incluíram a procissão de ontem e deverão terminar amanhã com uma bênção proferida na Praça de São Pedro.

Aparecida. No interior paulista, mais de 40 mil pessoas passaram ontem pelo Santuário Nacional de Aparecida. Na madrugada, os romeiros fizeram o percurso de 2 quilômetros até o Morro do Cruzeiro para a tradicional Via Sacra, que lembra os últimos momentos da vida de Jesus Cristo. O caminho serve de reflexão e meditação para os católicos.

Segundo o santuário, as encenações ajudam os visitantes a refletir sobre as questões da saúde no País, tema da Campanha da Fraternidade 2012. "As reflexões que fizemos sobre o sofrimento e morte de Jesus são úteis para uma maior compreensão desse assunto tão urgente", afirmou o padre Ronoaldo Pelaquin.

À tarde, os fieis acompanharam a celebração principal. "Não podemos jamais deixar de olhar a ressurreição, ela é a aprovação do pai por tudo aquilo que Jesus fez. É no sábado santo que acontece a plenitude da vida", disse o padre Ferdinando Mancilho.

Para hoje, estão previstas celebrações e meditações durante todo o dia, a partir das 7 horas. Às 20 horas, os visitantes participam da celebração da Vigília Pascal. Amanhã, domingo de páscoa, estão previstas sete missas. Até a noite de domingo, 185 mil pessoas devem passar pelo local. / GERSON MONTEIRO, ESPECIAL PARA O ESTADO, COM AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.