Papa Francisco resiste a se mudar para Palácio Apostólico

Desde o conclave, pontífice está alojado na Casa Santa Marta, em um quarto simples que inclui sala para reuniões

CIDADE DO VATICANO, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2013 | 02h02

O papa Francisco permanecerá alojado na Casa Santa Marta por período indeterminado e anunciou que, "por enquanto", não se mudará para o apartamento papal no Palácio Apostólico, onde foram concluídas reformas para a recepção do novo pontífice.

"Ao término da missa desta manhã, a que assistiram as pessoas (monsenhores, bispos e profissionais que prestam serviço ao Vaticano) que se alojam na Casa Santa Marta, o papa, com palavras muito simples, deu a entender que, ao menos nesta primeira fase, permanecerá alojado ali", disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi.

O papa está hospedado na residência desde o conclave. Nos últimos dias, porém, mudou-se de um quarto simples para o apartamento 201, que é mais confortável e inclui uma sala para reuniões, "que lhe permitirá receber mais facilmente as pessoas, por ter um espaço mais amplo", destacou Lombardi. A Casa Santa Marta tem cerca de 130 quartos e fica a poucos metros da Basílica de São Pedro.

Como estabelecem as normas do Vaticano, no momento em que ocorreu a renúncia de Bento XVI, o apartamento papal e o elevador que leva ao local foram selados e reabertos somente quando foi eleito o papa Francisco. Desde a escolha do novo pontífice, foram feitas algumas reformas, como é habitual em casos como esse.

Lombardi disse que o papa vai usar os escritórios no Palácio Apostólico e suas grandes salas de recepção para atender chefes de Estado e delegações, e continuará a aparecer a cada domingo para conceder uma bênção a partir da janela do apartamento papal com vista para a Praça São Pedro.

O primeiro pontífice a viver no apartamento papal foi Pio X, que se mudou para lá em 1903. Todos os outros papas seguiram a tradição.

Manuscrito. O cardeal cubano Jaime Ortega revelou em Havana um manuscrito com as palavras pronunciadas por Jorge Bergoglio sobre a missão da Igreja em uma sessão ocorrida antes do conclave. A fala de Bergoglio pode ter contribuído para a decisão dos cardeais de votarem nele, segundo divulgou ontem a revista da Igreja Católica cubana Palabra Nueva.

Bergoglio disse que não tinha uma cópia de seu discurso, mas, no dia seguinte, entregou a Ortega o texto escrito de próprio punho e autorizou sua divulgação. O manuscrito insiste que a evangelização "é a razão de ser da Igreja" que "é chamada a sair de si mesma e ir às periferias".

"Quando a Igreja não sai de si mesma para evangelizar, torna-se autorreferencial e então adoece", diz o discurso de Bergoglio. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.